PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Conteúdo publicado há
1 mês

Cada dia sem ação sobre clima é 'um dia perdido', diz naturalista David Attenborough

O ambientalista David Attenborough no documentário "David Attenborough e Nosso Planeta" - Divulgação/Netflix
O ambientalista David Attenborough no documentário 'David Attenborough e Nosso Planeta' Imagem: Divulgação/Netflix

Kate Holton

26/10/2021 08h58Atualizada em 26/10/2021 10h19

O naturalista britânico David Attenborough alertou os líderes mundiais nesta terça-feira que será tarde demais para lidar com as mudanças climáticas se a cúpula do clima da ONU, na Escócia, não tiver sucesso, e disse que as nações mais ricas têm a responsabilidade moral de agir.

A Grã-Bretanha estabeleceu a COP26 da Organização das Nações Unidas (ONU) que começa em Glasgow, em 31 de outubro, como a última grande chance de desacelerar o aumento das temperaturas e espera persuadir os líderes a adotar metas mais severas para combater as mudanças climáticas.

Attenborough, de 95 anos, disse à BBC que seria "realmente catastrófico" se as nações mais ricas deixassem de apoiar as mais pobres enquanto o tempo vai se esgotando.

"Cada dia que passa sem fazer algo a respeito é um dia perdido", disse ele. "Se não agirmos agora, será tarde demais."

A ONU informou na segunda-feira que as concentrações de gases causadores do efeito estufa atingiram um recorde no ano passado e que o mundo está "muito longe" de limitar o aumento das temperaturas.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que é preciso decidir se a COP26 terá sucesso em garantir os requisitos necessários para limitar o aumento da temperatura média global a 1,5 grau Celsius acima dos níveis pré-industriais e atingir emissões líquidas de carbono zero até 2050.

Attenborough disse que as nações líderes têm o dever de ajudar os países mais pobres, porque a industrialização foi um dos principais fatores que impulsionaram a mudança climática. Ele advertiu que partes inteiras da África podem se tornar impossíveis de se viver.

Incêndios devastadores na Austrália e nos Estados Unidos ainda estão sendo tratados por alguns como incidentes isolados disse ele, embora fenômenos extremos tenham mostrado que cientistas que estudam o clima estavam corretos em alertar sobre o aumento das temperaturas nos últimos 20 anos.

Meio Ambiente