Conteúdo publicado há 1 mês

Irã minimiza novo ataque de Israel e sinaliza que não haverá retaliação

Explosões ecoaram sobre uma cidade iraniana nesta sexta-feira, no que fontes descreveram como um ataque israelense, mas Teerã minimizou o incidente e indicou que não tinha planos de retaliação - uma resposta que parecia destinada a evitar uma guerra mais ampla na região.

A escala limitada do ataque e a resposta silenciosa do Irã parecem sinalizar um esforço bem-sucedido dos diplomatas que têm trabalhado sem parar para evitar uma guerra total desde um ataque iraniano com drones e mísseis contra Israel no último sábado.

A mídia e as autoridades iranianas descreveram um pequeno número de explosões que, segundo eles, resultaram nas defesas aéreas do Irã atingindo três drones sobre a cidade de Isfahan. Notavelmente, eles se referiram ao incidente como um ataque de "infiltrados", e não de Israel, evitando a necessidade de retaliação.

Uma autoridade iraniana disse à Reuters que não havia planos de responder contra Israel pelo incidente.

"A origem estrangeira do incidente não foi confirmada. Não recebemos nenhum ataque externo, e a discussão se inclina mais para a infiltração do que para o ataque", afirmou a autoridade.

Israel não disse nada sobre o incidente. O país havia dito há dias que planejava retaliar o Irã pelos ataques de sábado, o primeiro ataque direto do Irã contra Israel em décadas de guerra sombria travada por representantes que se intensificou em todo o Oriente Médio durante seis meses de batalha em Gaza.

Os dois inimigos de longa data estavam caminhando para um confronto direto desde um suposto ataque aéreo israelense em 1º de abril que destruiu um prédio no complexo da embaixada do Irã em Damasco e matou oficiais iranianos, incluindo um general de alto escalão.

A resposta do Irã, com um ataque direto a Israel, foi sem precedentes, mas não causou mortes e apenas danos menores, pois Israel e seus aliados abateram centenas de mísseis e drones.

Desde então, os aliados, inclusive os Estados Unidos, têm feito muita pressão para garantir que qualquer outra retaliação seja calibrada para não provocar uma espiral de hostilidades. Os ministros das Relações Exteriores do Reino Unido e da Alemanha visitaram Jerusalém nesta semana, e os países ocidentais reforçaram as sanções contra o Irã para apaziguar Israel.

Continua após a publicidade

Em um sinal de pressão dentro do governo de extrema-direita de Israel para uma resposta mais forte, Itamar Ben Gvir, o ministro da segurança nacional de extrema-direita, escreveu no X uma única palavra após os ataques de sexta-feira: "Fraco!".

Países de todo o mundo pediram na sexta-feira que ambos os lados evitassem uma nova escalada.

"É absolutamente necessário que a região permaneça estável e que todos os lados se abstenham de novas ações", disse a chefe da Comissão da UE, Ursula von der Leyen. Apelos semelhantes vieram de Pequim e dos países árabes da região.

*Reportagem de Humeyra Panuk, Phil Stewart e Idrees Ali em Washington e Parisa Hafezi em Dubai; reportagem adicional de Kanishka Singh, Jasper Ward, Jamie Freed e Dan Williams

Deixe seu comentário

Só para assinantes