PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Coreia do Sul e do Norte restabelecem linha de comunicação após 13 meses sem contato

Moon Jae-in cumprimenta Kim Jong-un em 2018; restauração nas linhas de comunicação entre os países - Handout/Reuters
Moon Jae-in cumprimenta Kim Jong-un em 2018; restauração nas linhas de comunicação entre os países Imagem: Handout/Reuters

27/07/2021 07h28

As duas Coreias concordaram em restaurar as linhas de comunicação entre os países cortadas após mais de um ano de interrupção. O anúncio foi feito hoje pela presidência sul-coreana, surpreendendo a comunidade internacional.

Autoridades de Seul e Pyongyang se comunicaram às 10h do horário local nesta manhã, em uma decisão inesperada. Há 13 meses, a Coreia do Norte decidiu unilateralmente romper o canal, não respondendo mais às chamadas do vizinho do sul. O motivo foi a mobilização de ativistas sul-coreanos contra o regime de Kim Jong-un.

Segundo Seul, o presidente sul-coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano discutiam, desde abril, através de cartas pessoais, o restabelecimento do contato. A iniciativa parece ter dado certo: a partir desta terça-feira, as duas Coreias retomam as chamadas telefônicas regulares duas vezes por dia.

A decisão inspira os dois lados a uma nova fase de reaproximação. O presidente sul-coreano é visto como o arquiteto da primeira cúpula entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos, em junho de 2018, em Cingapura. Mas Pyongyang cortou grande parte do contato com o vizinho do sul após o fracasso de uma segunda cúpula entre Kim Jong Un e o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Hanói, que paralisou as negociações sobre o programa nuclear e balístico norte-coreano.

Iniciativa é comemorada pelas duas Coreias

O anúncio de hoje surpreendeu a comunidade internacional e foi comemorado pelos dois lados. A KCNA, agência oficial de notícias da Coreia do Norte, declarou que o restabelecimento do contato terá "efeitos positivos sobre a melhora e o desenvolvimento das relações entre o Norte e o Sul". O órgão acrescentou que "os dois governantes também concordaram em restaurar a confiança mútua entre as duas Coreias o mais rápido possível e em avançar com o relacionamento novamente".

No entanto, a iniciativa não ocorre por acaso. Alvo de sanções internacionais por dar continuidade aos projetos nucleares, a Coreia do Norte enfrenta uma grave crise de escassez de alimentos. Isolado no cenário internacional, o regime de Kim Jong-un também luta para tentar controlar a epidemia de Covid-19 no país.

Com informações do correspondente da RFI em Seul, Louis Palligiano

Internacional