PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Angela Merkel: o balanço de uma era na Alemanha, antes de dizer adeus

nunca chegou a defender uma visão para o futuro da Europa, como seu homólogo e parceiro francês, Emmanuel Macron - Michael Kappeler/Pool/AFP
nunca chegou a defender uma visão para o futuro da Europa, como seu homólogo e parceiro francês, Emmanuel Macron Imagem: Michael Kappeler/Pool/AFP

25/09/2021 15h06

Nenhum político terá marcado a política europeia nos últimos 16 anos como a chanceler alemã. Angela Merkel teve que lidar com muitas crises, às vezes com reações tardias. No entanto, a líder alemã nunca chegou a defender uma visão para o futuro da Europa, como seu homólogo e parceiro francês, Emmanuel Macron.

Com a chegada de Angela Merkel ao poder em 2005, uma mulher da Alemanha Oriental assumiu as rédeas do país, 15 anos após sua reunificação. Ao contrário de seus predecessores democratas-cristãos, Konrad Adenauer ou Helmut Kohl, seu "pai" na política, a nova chanceler, que cresceu na RDA comunista, não se estabeleceu politicamente imbuída de construções europeias.

"No início de seu mandato, ela não entendia por que a França era tão importante para a Alemanha. Para ela, na RDA, o modelo era a Alemanha Ocidental e os Estados Unidos. Ela não gostava muito da ideia europeia ", analisa o biógrafo de Angela Merkel, o jornalista Ralph Bollmann.

Apesar de tudo, a "novata" no cenário europeu rapidamente obteve um primeiro sucesso no qual suas habilidades de negociação já brilhavam. Durante o seu primeiro Conselho Europeu, em dezembro de 2005, ela ajudou a resolver a - ainda espinhosa - questão do orçamento da UE (para o período entre 2007-2013).

"Uma enorme nuvem saiu da Europa", disse Angela Merkel após as negociações. Poucos meses após a rejeição pelos franceses e holandeses do projeto de Constituição Europeia, o fato da chanceler ajudar a cortar o nó górdio do orçamento do bloco permitiu que uma Europa ferida respirasse. "Nesse momento, ela não se concentrou apenas no parceiro francês, mas se aproximou de outros países, o que lhe permitiu chegar a um acordo sobre o orçamento da UE", disse Bollmann.

Crise e tragédia

É especialmente a partir de seu segundo mandato, que começa em 2009, que o peso de Merkel na Europa aumentará, durante a crise da zona do euro e a tragédia grega. A chanceler subestimou o alcance da crise financeira e suas implicações, e permaneceu relutante em apoiar os planos para a zona do euro.

Foi muito criticada, especialmente pela França, liderada na época por Nicolas Sarkozy, por esperar muito para chegar a uma decisão, e por permanecer inflexível. A ex-alemã oriental continuou profundamente apegada às regras do mercado e relutou em intervir. Na União Europeia e na zona do euro, ela defendeu uma política de reestruturação das economias em dificuldades, atraindo a ira dos Estados duramente atingidos no sul da Europa.

"Quando a crise do euro começou em 2010, a solidariedade entre os países membros não era uma prioridade para ela. Demorou muito para ela se tornar uma europeia convicta", diz o biógrafo Ralph Bollmann. Mas os parceiros da Alemanha, começando pela França, nem sempre entenderam as restrições da chanceler: "Muitos pró-europeus a criticaram por trair, por meio de seu apego à ortodoxia orçamentária, o legado de Helmut Kohl.

Ao mesmo tempo, as mesmas pessoas tiveram que reconhecer que a margem de manobra do Chanceler era limitada. Seu parceiro de coalizão, o Partido Liberal, alguns democratas-cristãos, o Tribunal Constitucional e o Bundesbank: todas forças que limitaram suas opções ", acrescenta Ralph Bollmann.

A pandemia, a última crise de Angela Merkel

A chanceler acabou aceitando os mecanismos de apoio da zona do euro, mas assistia, a cada nova votação no Bundestag, a sua maioria de governo diminuir. Quando a situação na Grécia ameaçou o bloco europeu, Merkel confrontou seu ministro das finanças, Wolfgang Schäuble, que implorou que Atenas deixasse a zona do euro para salvá-la. Para a chanceler, a coesão da Europa estava em jogo.

Assim que esta questão foi resolvida, no entanto, uma nova crise europeia se agigantava no horizonte com a chegada de várias centenas de milhares de refugiados, e a decisão de Angela Merkel, no início de setembro de 2015 de não fechar as fronteiras da Alemanha. Uma decisão não muito coordenada com seus parceiros, mas que ainda hoje garante grande popularidade da chanceler em todo o mundo.

Por outro lado, Merkel falhará em sua vontade de estabelecer quotas entre os países europeus para o acolhimento de refugiados. Uma reforma do direito de asilo desejada por Berlim, que não chega a ver a luz do dia.

A pandemia é a última crise que Angela Merkel teve que enfrentar. A chanceler operará uma revolução em seu país, com a iniciativa conjunta apresentada com Emmanuel Macron em maio de 2020 e que conduzirá ao plano de recuperação europeu, a chefe de governo alemã aceita a emissão de uma dívida comum europeia, um aceno para os democratas-cristãos.

Esta iniciativa foi um sucesso do eixo Paris-Berlim após a falta de resposta da Alemanha às propostas de Emmanuel Macron sobre a Europa. Surpreendentemente, as reações negativas no campo do chanceler são muito discretas.

Berlim entendeu que as principais consequências da crise econômica provocada pela pandemia eram prejudiciais aos interesses alemães, sendo os países em questão mercados importantes para este país exportador. "Este projeto pode ser seu testamento político para a Europa", diz Ralph Bollmann.

O plano de recuperação antecipa uma integração europeia, mesmo que as leituras sejam diferentes entre aqueles que o vêem como um salto qualitativo ao longo do tempo e outros como... Angela Merkel: "Este plano se refere explicitamente à pandemia, sua ação é direcionada e limitada no tempo", especificou o chanceler na tribuna do Bundestag, em junho de 2020.

"Ela não tinha ambições para a Europa"

Que conclusões podemos tirar da liderança de Angela Merkel na Europa? "Ela sempre tentou encontrar compromissos com os parceiros europeus para seguir em frente, mas foi muito devagar e perdeu o timing do continente. A virada no plano de recuperação foi um passo importante ", disse Daniela Schwarzer, diretora executiva da Open Society Foundation.

Franziska Brantner, especialista em questões europeias com os ecologistas, também saúda a gestão de crises por Angela Merkel, mas lamenta sua relutância: "Ela não tem visões, não tinha ambições pela Europa, ao contrário do chanceler Kohl ou do ex-ministro das Relações Exteriores Joschka Fischer. Ela reagia às crises para encontrar soluções, mas sem tentar seguir em frente. Manteve-se apegada, como na França, a uma visão intergovernamental da Europa, sem buscar o fortalecimento de suas instituições".

Martin Schulz, ex-presidente do Parlamento Europeu e adversário dos sociais-democratas derrotado por Angela Merkel na disputa pela chancelaria em 2017, também faz uma avaliação negativa: "Ela nunca demonstrou ambição pela 'Europa. Isso também se aplica às relações franco-alemãs".

Apesar desse histórico ambíguo, Angela Merkel parece se beneficiar do apoio dos europeus. Uma pesquisa recente mostrou que se um presidente da União Europeia fosse eleito diretamente, a chanceler venceria claramente com 41% contra Emmanuel Macron com 14%.

Internacional