Conteúdo publicado há 2 meses

Parlamento polonês elege Donald Tusk como premiê e vira página de governo ultraconservador

O Parlamento polonês elegeu, nesta segunda-feira (11), o primeiro-ministro Donald Tusk como o novo chefe de um governo pró-UE, substituindo o último executivo conservador e nacionalista.

A Câmara Baixa, com maioria de representantes da coalizão de Tusk desde as eleições de outubro, rejeitou pela manhã a eleição de um governo liderado pelo partido Lei e Justiça (direita radical).

No total, 248 deputados votaram a favor dele, 201 contra.

Controlada pela aliança pró-UE de Tusk, a Câmara Baixa do Parlamento polonês rejeitou na segunda-feira a proposta de um novo governo dos populistas nacionalistas no poder desde 2015.

Após a sua eleição, o ex-chefe do Conselho Europeu agradeceu aos poloneses pela confiança demonstrada durante as eleições de 15 de outubro.

"Este é um grande dia para todos que, durante muitos anos, acreditaram que as coisas iriam melhorar, que iríamos afastar a escuridão, o mal", disse ele.

"A partir de amanhã seremos capazes de corrigir os erros, para que todos se sintam em casa na Polônia", acrescentou.

Respondendo a Tusk, o líder do partido populista Lei e Justiça (PiS), Jaroslaw Kaczynski, chamou-o de "agente alemão".

Kaczynski há muito acusa a Coligação Cívica e o próprio Tusk de representarem os interesses alemães e russos.

Continua após a publicidade

"A Polônia dos meus sonhos é aquela sem políticos que agirão a favor de Estados estrangeiros", declarou, em vez disso, denunciando "um mal-entendido social" e proclamando "o fim da democracia" na Polônia.

A votação da candidatura de Tusk ocorreu após uma tentativa fracassada dos populistas de formar um novo governo.

Durante o dia, o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki apresentou o seu discurso de política geral ao parlamento, mas perdeu imediatamente o voto de confiança por 266 votos contra e 190 a favor.

Mesmo que a coligação de forças pró-europeias tenha vencido as eleições legislativas de 15 de outubro, foi ao poder nacionalista cessante que o Presidente Andrzej Duda, seu aliado, confiou pela primeira vez a tarefa de formar um governo, atrasando em quase dois meses o fim de oito anos no poder do campo nacionalista populista.

Composta pela Coligação Cívica (KO, centro), pela Terceira Via (Democrata-Cristão) e pela Esquerda, a coligação pró-europeia tem 248 deputados, contra 194 representantes eleitos do PiS e outros 18 da Confederação (extrema-direita) para um total de 460 assentos.

Na terça-feira, Tusk deverá, de acordo com anúncios oficiais, apresentar o seu discurso político e o seu governo, e submeter-se imediatamente ao voto de confiança, antes de prestar juramento na quarta-feira para concluir os procedimentos exigidos pela Constituição e encerrar formalmente oito anos de poder nacionalista na Polônia.

Continua após a publicidade

Bruxelas

Tusk pretende, portanto, poder representar o seu país na próxima cúpula europeia, na quinta e sexta-feira em Bruxelas.

"Estou ansioso para trabalhar com vocês, começando com a importante cúpula europeia desta semana", reagiu a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, na noite de segunda-feira no X. "A sua experiência e o forte compromisso com os nossos valores europeus serão valiosos para tornar a Europa mais forte", acrescentou.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, também saudou a eleição de Tusk, fazendo um apelo pela "unidade" contra Moscou.

Durante a campanha eleitoral, Tusk conseguiu liberar milhões de euros em ajuda europeia que tinham sido congelados devido a tensões de longa data entre Bruxelas e o governo de saída.

Ele também disse que isso restauraria a credibilidade da Polônia dentro da UE e lhe daria uma voz importante no meio da guerra em curso na vizinha Ucrânia.

Continua após a publicidade

"Estou feliz que a Polônia esteja de volta ao caminho do desenvolvimento", disse o líder histórico da União Solidariedade e antigo presidente polaco Lech Walesa, que participou do debate parlamentar.

Oposição poderosa

As expectativas são enormes para este futuro governo pró-europeu, mas os nacionalistas populistas continuarão a ser uma oposição poderosa e continuarão a controlar várias instituições estatais.

Os analistas falam de "uma teia de aranha" tecida pelo PiS em torno do Estado, mais sólida porque o mandato presidencial de Duda não termina até 2025 e ele pode se valer de muitas artimanhas para exercer o seu direito de veto às leis aprovadas pelo parlamento.

O PiS aproveitou os dois meses adicionais de poder que lhe foram dados como presente do chefe de Estado "para se fortalecer institucional e financeiramente", disse à AFP o analista político Jaroslaw Kuisz.

O partido nacionalista nomeou assim os seus representantes à frente de diferentes instituições, com mandatos muitas vezes vitalícios, como procuradores nacionais e cerca de 150 novos juízes, escolhidos por um órgão criticado por Bruxelas devido a sua dependência do PiS.

Continua após a publicidade

(com AFP)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes