PUBLICIDADE
Topo

André Santana

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Música do Olodum que embala luta por ouro no boxe é hino da periferia

5.ago.2021 - Hebert Conceição durante semifinal contra o russo Gleb Bakshi - REUTERS/Amr Abdallah Dalsh
5.ago.2021 - Hebert Conceição durante semifinal contra o russo Gleb Bakshi Imagem: REUTERS/Amr Abdallah Dalsh
André Santana

André Santana é jornalista, cofundador do Instituto Mídia Étnica e do portal Correio Nagô

Colunista do UOL

06/08/2021 04h00

O boxeador baiano Hebert Conceição, que disputará a medalha de ouro da categoria 75 kg, escolheu a música Madiba, do Olodum, para embalar suas entradas no ringue na Olimpíada de Tóquio.

O atleta de 23 anos lutará no sábado (7) e junto com a também baiana Bia Ferreira, da categoria de 60 kg, forma as duas finais com brasileiros no esporte. O peso-pesado Abner Teixeira já garantiu a primeira medalha de bronze nesta edição dos Jogos Olímpicos.

Nobre guerreiro negro de alma leve / nobre guerreiro negro lutador / que os bons ventos calmos assim te levem aonde você for

Os versos compostos por Raimundo Bida e Marquinhos Marques, para o Carnaval de 2015, celebram o líder sul-africano Nelson Mandela, chamado de Madiba por seu povo.

Olodum cantou por libertação de Mandela

Ao longo da história de 42 anos de fundação, o Olodum homenageou Nelson Mandela diversas vezes.

O líder da luta contra o apartheid na África do Sul, que presidiu o país entre 1994 e 1999, após 27 anos na prisão por liderar as mobilizações contra o regime segregacionista, tornou-se símbolo da igualdade, da não-violência e da busca da união entre brancos e negros para a reconstrução da nação sul-africana.

O Olodum foi uma das muitas vozes mundiais que reivindicaram a libertação de Mandela, nas décadas de 1970 e 1980. Essa se tornou uma pauta central para os movimentos negros no Brasil e para os blocos afro da Bahia.

O hino Nkosi Sikelele Africa, do Congresso Nacional Africano, organização de Mandela, passou a integrar o repertório do Olodum, que popularizou a canção em atos pela liberdade e contra o regime colonial.

Finalmente, em 5 de agosto de 1991, um ano após sair da prisão, Mandela visitou Salvador. Cem mil pessoas se aglomeraram na Praça Castro Alves para saudá-lo e mostrar como sua luta tornou-se inspiração. Os tambores do Olodum ecoaram na recepção a Madiba.

A postura pacifista de Mandela pode até parecer contraditória ao boxe, esporte de luta. Mas a mensagem da canção do Olodum para os jovens de periferias como o bairro de Pau da Lima, onde mora Hebert Conceição, é de libertação e resistência ao racismo e a todas as formas de opressão."

As músicas do Olodum, que falam da África, seus heróis e heroínas, e também de levantes brasileiros como a Revolta de Búzios (1798), constroem narrativas de elevação da autoestima para comunidades que precisam enfrentar a exclusão de direitos fundamentais e privação dos sonhos.

Música circula entre 'olodúnicos' para além do rádio

O discurso de Hebert Conceição, após as vitórias em Tóquio, mostra a confiança de um lutador. De alguém que reconhece sua capacidade, seus esforços e sabe que pode ir muito longe, muito mais que o racismo tentar impor.

O interessante é que canções como Madiba, que embalará a luta de Hebert pelo ouro olímpico, não toca na programação das rádios e emissoras de televisão. Nem na Bahia.

São músicas apresentadas nos ensaios dos blocos afro e no Femadum (Festival de Música do Olodum), realizado anualmente no Pelourinho. Os registros, muitas vezes em vídeos amadores feitos em celulares, circulam nas redes sociais e nos grupos dos Olodúnicos, jovens como Hebert, amantes do Olodum.

E mostram sua força ao serem entoadas pela juventude nas periferias de Salvador e nos batuques feitos no fundo dos ônibus que circulam pela cidade.

Justamente por saberem a força transformadora que há nestas canções-manifesto, a sociedade e os meios de comunicação tentam invisibilizar.

Mas tal qual a mensagem de Mandela, a música negra nascida dos tambores alcança o mundo, encontra vozes de ícones internacionais como Michael Jackson, Jimi Cliff e Paul Simon —artistas que gravaram com o Olodum— e sobe em um ringue olímpico em Tóquio.

Que esses bons ventos, nem sempre calmos, garantam muitas vitórias para Hebert e para a juventude negra, cheia de sonhos e esperança.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado na primeira versão desta coluna, o Olodum não gravou com Paul McCartney, mas com o músico Paul Simon. A informação foi corrigida.