PUBLICIDADE
Topo

Carlos Madeiro

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Em AL, Lula cita 'elite perversa', elogia Renan e minimiza drone com veneno

Carlos Madeiro

Formado em jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas e com especialização em gestão de conteúdo em jornalismo pela Universidade Mackenzie, Carlos Madeiro atua há 20 anos e escreve para o UOL desde 2009, participando de grandes coberturas e fazendo reportagens e análises sobre o Nordeste e o Norte do Brasil.

Colunista do UOL

17/06/2022 21h14

Hoje, em seu segundo dia de giro pelo Nordeste, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou o que classificou como uma "elite perversa" brasileira, rasgou elogios ao senador Renan Calheiros (MDB) e a Renan Filho (MDB) e minimizou o episódio ocorrido em um evento de pré-campanha em Minas Gerais, quando um drone jogou veneno no público. "Essa gente pensa que vai assustar a gente", afirmou em Maceió (AL).

A menção à elite foi feita logo no início do discurso, quando o ex-presidente prometeu combater a fome e diminuir o desemprego caso seja eleito presidente da República. "Eu quero voltar à Presidência porque quero provar outra vez, para essa elite perversa, que o país tem jeito. Que ele não precisa ter o desemprego que tem, não precisa de fome, de desnutrição, de tanto analfabeto. Esse país não pode ter o desprezo com o povo pobre desse país", disse o petista.

Para um centro de convenções lotado na capital alagoana, disse ainda que "o povo brasileiro não precisa ficar no açougue esperando osso, e pode voltar a comer carne de qualidade, a comer peito, e não só pé e pescoço. Quero é vocês fazendo um churrasquinho no fim de semana com aquela cervejinha gelada". Pouco depois, complementou: "Eu quero voltar e provar outra vez e fazer em quatro anos o que a elite não fez em 400 anos".

Lula estava acompanhado da cúpula do MDB local: o governador Paulo Dantas, o senador Renan Calheiros e o ex-governador Renan Filho.

O ex-presidente afirmou que conheceu Renan há 40 anos e enalteceu não só o senador, como o também ex-presidente José Sarney: "Renan foi presidente do Senado duas vezes, e eu devo muito ao Renan e ao José Sarney, que tem 92 anos. Tem muita gente vendo a história do Sarney pelo avesso. Mas foi o comportamento dele que garantiu que se recuperasse a democracia após 1985."

O ex-presidente também elogiou o ex-governador Renan Filho."Esse menino provou que Alagoas tinha jeito; que governada com seriedade e respeito, era possível transformar o estado, como está transformado hoje".

Lula comentou ainda o atentado em que o drone jogou agrotóxicos em apoiadores em Uberlândia. "Já sabemos que um dos que jogaram estava com tornozeleira e outro, já tinha cometido crime de estelionato. Essa gente pensa que vai assustar a gente. Se pensa que vai ter medo da bravata, de miliciano, que ele não vai passar a faixa. A gente não quer que ele passe, a gente vai tomar democraticamente. Ele vai ter que aprender que a democracia é maior que ele".

O petista também não poupou críticas ao presidente Jair Bolsonaro e à política econômica do atual governo. "Esse presidente nunca se reuniu com governadores, com prefeitos, nunca teve coragem de fazer caminhada a pé, só anda em motociata e de jet sky. Esse país não suporta isso. Essa gente não presta! Não adianta vender a Petrobras, Eletrobras. Em um governo nosso, quero o estado forte".

A última visita de Lula a Alagoas havia ocorrido cinco anos atrás, durante uma caravana pelo Nordeste, em 2017.

Em sua fala, Lula agradeceu aos alagoanos que participaram da vigília nos dias em que ficou preso em Curitiba. "Houve algo que nunca foi visto na história, ficaram lá todos os dias", disse. Após abordar o período em que passou pela prisão, garantiu que não guarda ressentimentos: "Não é possível governar esse país com ressentimento ou tomado pelo ódio. Quando decidi ser candidato, peguei todo o ressentimento que tudo que poderia ter e joguei no lixo".

Candidato a vice-presidente pela chapa, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB), também discursou. Ele fez defesa do legado de Lula, citando programas na área de saúde e educação adotados na gestão do então presidente. Embora tenha sido vaiado moderadamente ao ser anunciado, arrancou aplausos do público depois de falar.

Ontem, eles participaram de um encontro com governadores da região, de uma feira da agricultura familiar e de um ato público em Natal. Amanhã, seguem para Aracaju, onde um ato está marcado às 11h, no Centro de Convenções de Sergipe.