PUBLICIDADE
Topo

Carolina Brígido

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Supremo adia julgamento sobre drogas para evitar conflito com Bolsonaro

O presidente do STF, Luiz Fux, e o presidente Jair Bolsonaro - Felipe Sampaio/STF
O presidente do STF, Luiz Fux, e o presidente Jair Bolsonaro Imagem: Felipe Sampaio/STF
Carolina Brígido

Escreve sobre Judiciário, especialmente o STF, desde 2001. Participou da cobertura do mensalão, da Lava-Jato e dos principais julgamentos dos últimos anos. Foi repórter e analista do jornal "O Globo" de 2001 a 2021. Foi colunista a revista "Época" de 2019 a 2021.

Colunista do UOL

17/05/2021 14h37

Está embaixo do tapete do STF (Supremo Tribunal Federal) há quase seis anos o processo sobre a liberação do porte de maconha para uso pessoal. No que depender do presidente do tribunal, Luiz Fux, o caso continuará escondido. Ele não tem intenção de pautar a ação para este semestre. É pouco provável que o plenário julgue o assunto neste ano.

Não julgar o processo sobre drogas traz duas consequências. A primeira é deixar a polêmica mais tempo engavetada e evitar que o STF se indisponha com a opinião pública, já que existe uma tendência para a descriminalização do uso de drogas.

O fato de Jair Bolsonaro (sem partido) ter sido eleito presidente da República em 2018 com um discurso rígido nos costumes mostra que o brasileiro ainda tem resistência à liberação do uso de drogas. Nesta segunda-feira (17), Bolsonaro deixou claro que, se o Congresso Nacional aprovar projeto nesse sentido, ele vetará.

A segunda consequência de não julgar o processo de drogas é evitar que o STF crie (ainda mais) atrito com Bolsonaro e o Congresso. O projeto sobre descriminalização das drogas também adormece no Congresso há anos. Mostra que o tema é espinhoso não apenas para o Judiciário.

Boa parte dos ministros do Supremo prefere que o Congresso decida antes sobre a polêmica, para não deixar o peso da decisão com o tribunal. É com esse pensamento que Fux mantém o processo embaixo do tapete.

O julgamento está suspenso desde setembro de 2015. Três dos onze ministros já tinham votado, todos a favor dos usuários, quando o então ministro Teori Zavascki pediu vista do processo para analisar melhor. Zavascki morreu em janeiro de 2017 em um acidente aéreo. Alexandre de Moraes assumiu a vaga dele - e, entre os processos herdados, estava o pedido de vista. Em 2019, ele liberou o caso para julgamento.

Na época, o presidente do STF era Dias Toffoli. Ele chegou a pautar o caso para o plenário, mas desistiu, também em nome da harmonia entre os Poderes. Fux seguiu a mesma linha de raciocínio não apenas para o caso das drogas. Ele evitou pautar uma ação que questiona a norma que obriga a mulher vítima de estupro a fazer um relato à polícia antes da realização de aborto.

A interrupção de gravidez gerada por estupro é permitida por lei. Para ativistas dos direitos das mulheres, o novo procedimento desencorajaria as vítimas a procurar assistência médica. A tendência é o STF derrubar a norma. Seria, portanto, outra frente de conflito com Bolsonaro na pauta de costumes.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL