PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Carolina Brígido

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Bolsonaro atira pedras, STF responde com bombardeio

Carolina Brígido

Escreve sobre Judiciário, especialmente o STF, desde 2001. Participou da cobertura do mensalão, da Lava-Jato e dos principais julgamentos dos últimos anos. Foi repórter e analista do jornal "O Globo" de 2001 a 2021. Foi colunista a revista "Época" de 2019 a 2021.

Colunista do UOL

20/08/2021 11h01Atualizada em 20/08/2021 15h15

A cada pedra que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) arremessa contra o STF (Supremo Tribunal Federal), recebe de volta um bombardeio. Há dias o presidente ameaça apresentar ao Senado um pedido de impeachment contra os ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Ainda não tomou essa atitude. E, mesmo que faça isso, a chance de dar em nada é grande.

Enquanto isso, Barroso e Moraes tomaram atitudes concretas em resposta aos ataques do presidente, com repercussão na área criminal. Barroso abriu inquérito no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para apurar discursos de Bolsonaro contra o sistema eleitoral e Moraes incluiu o presidente no inquérito das fake news, que tramita no Supremo.

Na semana passada, Moraes mandou prender o presidente do PTB, Roberto Jefferson, aliado de Bolsonaro que ameaçou ministros do STF. Nesta sexta-feira (20), ordenou operação de busca e apreensão contra o cantor Sérgio Reis, apoiador do presidente que convocou greve geral dos caminhoneiros para protestar contra os ministros do STF.

Na quinta-feira (19), Bolsonaro tentou mais uma ofensiva - novamente, sem chance alguma de ter consequência prática. Ele entrou com uma ação no STF para impedir o tribunal de abrir inquérito por iniciativa própria, sem o aval da PGR (Procuradoria-Geral da República). O inquérito das fake news, que mira Bolsonaro e aliados, foi aberto dessa forma.

A ação proposta pelo presidente será julgada pelo próprio Supremo. No tribunal, os ministros já declararam em plenário apoio unânime ao inquérito das fake news - ainda que ele tenha sido instaurado de forma atípica. Para integrantes do Supremo, é importante haver inquéritos abertos para proteger a democracia de ataques.

Além do inquérito das fake news, outra investigação cumpre esse papel: um inquérito, comandado também por Moraes, para investigar a atuação de milícias digitais contra o sistema eleitoral e instituições democráticas. Aliados de Bolsonaro também estão na mira dessa apuração.

Sem o apoio nem mesmo da AGU (Advocacia-Geral da União), Bolsonaro insiste na apresentação dos pedidos de impeachment contra os ministros do STF. Os parlamentares já preparam a gaveta para arquivar o caso. O ato do presidente, se levado adiante, será isolado no governo. Com isso, Bolsonaro alcançará dois objetivos: dar satisfação à militância e se distanciar ainda mais do diálogo com o Judiciário.