Topo

Coluna

Chico Alves


Deputado que chamou Moro de "juiz ladrão" é absolvido no Conselho de Ética

Deputado Glauber Braga (PSOL-RJ)  - Antonio Augusto/Câmara dos Deputados
Deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) Imagem: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

22/10/2019 19h13

O Conselho de Ética da Câmara arquivou hoje a representação do PSL pela cassação do mandato do deputado Glauber Braga (PSOL-RJ), que em uma audiência no início de julho disse ao ministro Sergio Moro que ele é um "juiz ladrão", pela forma como atuou na Lava Jato. O conselho seguiu o voto do relator, deputado Flavio Nogueira (PDT-RJ).

A afirmação foi feita a poucos metros de Moro. O parlamentar fluminense baseou-se nas revelações feitas pelo site The Intercept Brasil sobre os vazamentos de conversas com procuradores da força-tarefa de Curitiba. Braga comemorou o resultado. "Vou reafirmar aquilo que disse na Comissão de Constituição e Justiça, no Conselho de Ética e repito agora: Moro agiu como juiz ladrão", afirmou ele à coluna. "A decisão do Conselho de Ética demonstra que eu não posso ser punido por dizer o que eu disse".

Na opinião do psolista, o Conselho de Ética fez o que tinha que fazer. "O processo foi arquivado com base na imunidade parlamentar, que é uma garantia democrática. E na minha avaliação também porque quem fala a verdade não merece castigo", completou.

Para Braga, a principal ilegalidade de Moro foi ter atuado em um processo sem a imparcialidade necessária, para depois conseguir a recompensa de ser indicado a um ministério no governo Jair Bolsonaro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Chico Alves