PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


Bastidores da saída do general Santa Rosa: mais uma crise para Bolsonaro

 General Floriano Peixoto, Gustavo Bebianno, presidente Jair Bolsonaro e o general Maynard  Santa Rosa - Alan Santos/PR
General Floriano Peixoto, Gustavo Bebianno, presidente Jair Bolsonaro e o general Maynard Santa Rosa Imagem: Alan Santos/PR
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

05/11/2019 13h52

Não foi uma baixa qualquer a saída do general da reserva Maynard Santa Rosa da Secretaria de Assuntos Estratégicos do governo Bolsonaro, anunciada ontem. Por ser um dos mais respeitados pela cúpula das Forças Armadas por seu preparo intelectual, o pedido de demissão de Santa Rosa incomodou os oficiais superiores. Não só pelos motivos alegados, mas também pela forma como ocorreu.

Ao ingressar no governo federal, a convite do então ministro Gustavo Bebianno, o general tinha como objetivo preparar o planejamento de ações para desenvolvimento do país a longo prazo, algo que há muito tempo não se faz no Brasil. O problema é que o ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Jorge Ramos, ao qual Santa Rosa era subordinado, tem uma visão mais pragmática e queria ações mais imediatas. Marcou a reunião de ontem com Santa Rosa, na qual reclamou que seus textos eram complexos demais e cobrou produtividade.

O general, então, respondeu que para as questões complexas do país, as propostas também deveriam ser complexas. Em seguida, para surpresa de Ramos, pediu demissão.

Terminou ali o período de 10 meses em que, apesar de tentar fazer um trabalho de peso, Santa Rosa foi exposto a constrangimentos que apertavam um dos maiores calos de todo o oficial militar: a hierarquia.

Primeiro trabalhou com Gustavo Bebianno, que logo deixou o governo. Em seu lugar, Jair Bolsonaro colocou o general de duas estrelas Floriano Peixoto. Santa Rosa é quatro estrelas (foi ele, aliás, que promoveu Peixoto). Mesmo estando na reserva, isso causou algum incômodo, já que o subordinado passava a chefiar o superior. Santa Rosa, no entanto, aceitou ficar.

Com a saída de Floriano Peixoto, que em junho foi nomeado presidente dos Correios, Bolsonaro escolheu Jorge Ramos para a Secretaria Geral da Presidência da República, o que causou ainda mais constrangimento a Santa Rosa, já que Ramos é major da PM, uma força auxiliar do Exército. "Não seria problema se fosse um civil acima dele, mas um oficial de força auxiliar é algo difícil de engolir", disse um militar próximo ao general, que pediu para não ser identificado. Mais uma vez, Santa Rosa aceitou ficar.

O clima, porém, estava insustentável para ele. Entusiasmado com o planejamento que fazia para o desenvolvimento do Norte e Nordeste, o general tentou por várias vezes discutir os assuntos de sua secretaria com Bolsonaro, sem sucesso. Há duas semanas tentou marcar uma reunião com o presidente, mas ouviu (outra vez) que o encontro deveria ser marcado para depois.

O próprio ministro Jorge Oliveira dificilmente recebia Santa Rosa. Até que, ontem, Santa Rosa foi chamado por ele para conversar e ouviu reclamações sobre "produtividade". Acabou pedindo o boné.

Com Santa Rosa, saem também os generais Lauro Luís Pires da Silva e Ilídio Gaspar Filho, além de Walter Félix Cardoso Junior, bacharel em Ciências Militares. Três fontes ouvidas pela coluna confirmaram que integrantes da cúpula das Forças Armadas fizeram em privado críticas ao pouco caso do presidente Bolsonaro com Santa Rosa. Formado na Academia Militar das Agulhas Negras, em 1967, responsável pela promoção de oficiais importantes, como o próprio vice-presidente Hamilton Mourão, ele é visto pelo Alto Comando com o mesmo respeito conquistado pelo general Santos Cruz, este demitido.

A equipe da Secretaria de Assuntos Estratégicos tem outros motivos de reclamação: a ocupação de cargos no órgão por pessoas ligadas ao MDB. Responsável pelo convite ao general, Gustavo Bebianno lamentou à coluna que ele tenha saído. "É uma perda irreparável para o Brasil, Santa Rosa tinha objetivo de desenvolver um projeto de Estado, não de governo. Fico perplexo com a falta de sensibilidade e de visão desses governantes, que mantêm na secretaria bajuladores e pessoas sem condições intelectuais ou morais de colaborar com o futuro do país", disse Bebianno.

Chico Alves