PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


"Governo vê cultura como ameaça ao seu projeto", diz historiador Simas

Marcelo Alvaro Antonio, ministro do Turismo - Divulgação
Marcelo Alvaro Antonio, ministro do Turismo Imagem: Divulgação
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

07/11/2019 16h20

O professor Luiz Antonio Simas Simas é conhecido por ministrar aulas de História nas ruas do Rio de Janeiro, nas quais aborda temas que geralmente não fazem parte dos currículos escolares. Nessas ocasiões, joga luz sobre a trajetória de personagens do povo que construíram a identidade brasileira e são ignorados na historiografia oficial.

Como ensaísta, cronista ou ficcionista, é autor de 18 livros que abordam a cultura popular. Um deles, A História Social do Samba, escrito em parceria com Nei Lopes, ganhou, em 2015, o Prêmio Jabuti, na categoria não-ficção.

Em entrevista à coluna, ele analisa a transferência da Secretaria da Cultura para o Ministério do Turismo, conduzido por Marcelo Álvaro Antonio. Para Simas, a mudança subordina "o evento da cultura à cultura do evento". Por essa linha, importa menos o valor imaterial e mais o quanto cada apresentação de teatro, cinema ou musical pode render financeiramente.

Para o historiador, a decisão mostra que, ao contrário do que possa parecer, os governantes atuais dão importância aos artistas. "Eles fazem isso porque sabem a ameaça que a cultura representa para esse projeto moralista, ultra-reacionário, baseado no discurso de ódio", diz Simas.

Como o sr, vê a transferência da Secretaria da Cultura para o Ministério do Turismo?

Luiz Antonio Simas - É aquela antiga confusão que se faz entre o evento da cultura e a cultura do evento. O território do turismo é o do evento turístico, uma fonte de divisas importante. Mas cultura é outro papo. Quando você leva a cultura para o Ministério do Turismo, parte do pressuposto de que a manifestação que não seja atrativa para a indústria do turismo não merece estar na salvaguarda da cultura. É uma maluquice. Você esvazia completamente o que é cultura, é não compreender coisa nenhuma.

Qualquer manifestação cultural que não seja chancelada pelo atrativo de receita que o turismo proporciona estará esvaziada. Cultura é muito mais amplo que isso, é modo de vida, é a maneira como você lida com o mundo, como você lida com a morte, como você lida com o nascimento, como você celebra as coisas.

Já houve algum governo que vinculou institucionalmente cultura ao turismo?

Esvaziar completamente a cultura ligando-a a evento turístico só agora. Já teve governo que esvaziou a cultura, o próprio governo Temer já queria transformar o ministério em secretaria. Mas essa ideia de vincular a cultura ao turismo é uma catástrofe.

Essa ação do governo federal é consequência de incompreensão do papel da cultura?

Esses governantes não vão entender isso nunca. Cultura é elemento de construção de identidade, de coesão de grupo, de criação de rede de proteção social, é a maneira de transcender a miséria do cotidiano, produzir beleza, ter uma relação com a vida que tenha um mínimo de transcendência em relação à vida difícil que todo mundo tem, é construção sofisticada. Mas essa turma não está minimamente pensando nisso, está mensurando isso de outra maneira. Tem viabilidade econômica? Não tem, então está descartado. Vai reproduzir um certo paradigma oficial que interessa ao governo? Não vai, então está descartado. É a própria morte da ideia de cultura.

Mas o governo não faz isso porque desconhece a importância da cultura. O governo faz isso justamente porque conhece e sabe a importância que a cultura tem. Sabe que as ações culturais são uma afronta a esse projeto mesquinho de Brasil, esse projeto moralista, ultra-reacionário, estruturado em cima do discurso do ódio, em cima do horror ao conhecimento. A rigor, esse governo faz isso porque sabe que a cultura é uma ameaça para esse projeto.

Quais os danos que essa medida pode trazer aos produtores culturais?

A cultura cria suas brechas, cria maneira para sobreviver a esses ataques. Até porque o que a gente faz no nosso cotidiano é produzir cultura incessantemente. Mas é absurdo que não haja salvaguarda do estado para promover algumas manifestações culturais que não circulam na lógica do giro do capital.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Chico Alves