Topo

Coluna

Chico Alves


Bebianno ironiza novo partido de Bolsonaro: "Assim, crio seis legendas"

Gustavo Bebianno - Walterson Rosa/Folhapress
Gustavo Bebianno Imagem: Walterson Rosa/Folhapress
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

13/11/2019 04h00

Diante da anunciada mobilização do presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores para criar um novo partido já para concorrer às eleições municipais de 2020, o ex-ministro Gustavo Bebianno reagiu com ironia. O objetivo dos bolsonaristas, depois da certeza de que Bolsonaro vai sair do PSL, é coletar 500 mil assinaturas digitais até março com esse objetivo. "Se o TSE aceitar assinaturas digitais para a constituição de novo partido, criarei logo umas seis novas legendas", disse Bebianno à coluna.

O ex-ministro foi coordenador da campanha do atual presidente. Reivindica igualdade de tratamento:"Afinal de contas, suponho que a Corte Eleitoral garantirá plena isonomia entre os interessados. Não creio que, só por estar temporariamente como presidente da República, Jair Bolsonaro gozará de algum tipo de privilégio ou tratamento diferenciado".

Especialistas consideram praticamente inviável a criação de um partido com base em assinaturas digitais. Caso o presidente e seu grupo tentem esse expediente, teriam que obrigar a Justiça a fazer checagem da identidade de cada um dos subscritores, algo quase impossível.

Bolsonaro e seu grupo, porém, parecem não ligar para essas barreiras. Desde ontem à noite, grupos de WhatsApp que veiculam mensagens de apoio ao presidente passaram a postar a seguinte mensagem: "Estamos ajudando na coleta de dados das pessoas que queiram ajudar (sic) na criação do novo partido do Presidente Jair Bolsonaro. Preencha este questionário e compartilhe nos seus grupos! Precisamos de 500 mil pessoas".

Em reunião com deputados do PSL, o presidente anunciou ontem que vai deixar a legenda para criar um novo partido, que deverá se chamar Aliança Pelo Brasil. A efetivação do desligamento ainda não tem data definida. Também nessa terça-feira, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) entregou carta de desfiliação aos dirigentes pesselistas.

Chico Alves