Topo

Coluna

Chico Alves


Na polêmica do dossiê, general defende Bebianno e critica Carlos Bolsonaro

General Paulo Chagas - Sergio Lima/Folhapress
General Paulo Chagas Imagem: Sergio Lima/Folhapress
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

15/11/2019 21h29

Na nova queda de braço entre a familia Bolsonaro e o ex-ministro Gustavo Bebianno, o general da reserva Paulo Chagas, que concorreu ao governo do Distrito Federal, resolveu tomar partido. Bolsonaro e seu filho Eduardo acusaram Bebianno de produzir um dossiê contra o príncipe Luiz Phillipe de Orleans e Bragança (que envolveria participação em suruba gay) para evitar que ele fosse candidato a vice. O ex-ministro rebateu a acusação e Chagas ficou do seu lado. Nessa sexta-feira, o general voltou ao assunto em publicação no Facebook.

"Nos muitos contatos que tive com ele (Bebianno), não identifiquei em seu comportamento, em momento algum, qualquer atitude que não fosse a de um pitbull a serviço do seu dono, o 'Capitão', como ele o chamava mais comumente", escreveu Chagas.

Conta que a lealdade do ex-ministro "o converteu em alvo injustificável da desconfiança e da antipatia de Carlos Bolsonaro, o filho que, segundo a mídia, é o mais protegido pelo pai".

Elogiou o comportamento de Bebianno na ocasião do atentado à faca sofrido por Bolsonaro e chamou de "pedra no sapato" as intrigas do filho: "A cisma do filho Carlos e de outros próximos a ele em relação a Bebianno era e é real, e incomodava e atrapalhava o ambiente familiar e de trabalho"

E pisa mais fundo: "O que poderia ser resolvido com uma conversa franca, olho no olho, baseada na lealdade e em um pedido inegável de favor em benefício da harmonia familiar e governamental, transformou-se em crise conspiratória, com requintes de hipocrisia, acusações de traição, tuitadas inoportunas, divulgação de conversas pessoais, destruição de reputações e em um prato cheio para a mídia adversa e para a oposição irresponsável".

Chagas diz que a situação é "lamentável e decepcionante" e faz críticas ao presidente e sua equipe: "Como observador, como eleitor e como apoiador do Governo Bolsonaro, vejo este e outros casos que envolvem o Presidente e seus filhos como as origens e a essência de grande parte das 'crises políticas' que puseram e ainda põem em risco a sua imagem e a do seu governo, a confiança e a expectativa do seu eleitorado e dos seus apoiadores".

Logo abaixo da postagem, muitos bolsonaristas criticaram o general.

Chico Alves