PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

Generais dizem que "presidente está enganado" e que FA não apoiariam golpe

Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

03/05/2020 19h05Atualizada em 04/05/2020 09h02

Declarações do presidente Jair Bolsonaro, durante manifestação realizada hoje, em Brasília, foram interpretadas por políticos de vários matizes como um recado golpista. "Nós temos o povo ao nosso lado, nós temos as Forças Armadas ao lado do povo", disse Bolsonaro. "Chegamos ao limite, não tem mais conversa", falou, em outro momento.

Generais da reserva ouvidos pela coluna, no entanto, disseram que não há qualquer possibilidade de Exército, Marinha e Aeronáutica embarcarem em uma aventura antidemocrática. O Ministério da Defesa afirmou que não comenta declarações do presidente.

"Ele (presidente) tem apoio popular, como demonstrado hoje. Mas as Forças Armadas são conscientes da sua missão constitucional", garantiu o general Maynard Santa Rosa, que até novembro era o responsável pela Secretaria de Assuntos Estratégicos do governo federal. "O momento merece equilíbrio e reflexão, não precipitação".

O general Paulo Chagas, que foi candidato a governador do Distrito Federal nas últimas eleições, não vê nenhuma chance de golpe. "O presidente está enganado, está interpretando do jeito que ele quer. As Forças Armadas jamais vão entrar numa aventura. O povo está dividido, o Brasil quer que cada um faça sua parte de forma responsável".

Também o deputado General Peternelli (PSL-SP) diz ter certeza que as Forças Armadas não agirão fora da legalidade. "Trabalham sempre dentro das normas constitucionais", afirmou. "Às vezes me ligam também perguntando se vai haver um golpe contra o presidente. Nem uma coisa e nem outra".

Os oficiais do Exército ouvidos também criticam decisões do Supremo Tribunal Federal que, segundo eles, se intromete em áreas que são exclusivas do Executivo. "O precedente aberto pelo STF permite que um juiz de qualquer lugar decida 'eu quero isso' , 'eu quero aquilo'", diz Chagas. Eles se referem ao cancelamento da indicação do diretor-geral da Polícia Federal e à suspensão da expulsão de diplomatas venezuelanos.

Os generais acham que os esforços do governo federal deveriam estar direcionados para o combate ao coronavírus e não para confrontos políticos. "Parece que ele (Bolsonaro) gosta desse tipo de confusão. Acho que tem alguma alma do outro mundo, que mora na Virgínia (referência ao astrólogo Olavo de Carvalho), que manda recados e ele acredita. Isso é ruim. Prejudica a ele e prejudica o Brasil", avalia Chagas.

Dois dos oficiais não gostaram de saber que o presidente apareceu na rampa do Planalto com as bandeiras de Israel e Estados Unidos no mesmo nível da bandeira brasileira.

"Acho que um Estado soberano como o Brasil não tem motivo para atrelar a manifestação a bandeiras de outros países", opinou Peternelli. "A manifestação deveria ser essencialmente brasileira". Chagas lamenta: "Não sei onde o presidente quer chegar com isso, sinceramente".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.