PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


Temendo o STF, bolsonaristas batem recorde de sumiço de vídeos do YouTube

Youtuber Allan dos Santos e o presidente Jair Bolsonaro - Reprodução de vídeo
Youtuber Allan dos Santos e o presidente Jair Bolsonaro Imagem: Reprodução de vídeo
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

07/07/2020 04h00

Os youtubers bolsonaristas acusados de propagar fake news e mensagens agressivas contra o Supremo Tribunal Federal e Congresso continuam apagando vídeos de seus canais em grande escala. A movimentação começou em maio, mas após a busca e apreensão na casa de alguns blogueiros, determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, se intensificou e bateu recorde em junho. Segundo levantamento da empresa Novelo, de monitoramento de redes sociais, foram suprimidos 3.463 vídeos no mês passado, mais de oito vezes a média de 2019.

O sumiço dos vídeos começou quando o STF tornou mais efetivas as investigações do inquérito sobre fake news, a cargo de Moraes. Em maio foram retirados 1.112 peças. Nas semanas que sucederam a operação realizada no dia 27, em que a polícia foi à casa de youtubers e blogueiros para apreender computadores e celulares, foram deletados três vezes mais vídeos.

"Aparentemente, esses youtubers tinham a sensação de impunidade e imaginavam que estariam protegidos pelo discurso de liberdade de expressão", analisa Guilherme Felitti, responsável pelo levantamento. "Eles importaram essa noção dos EUA e acreditavam que poderiam fazer o que quisessem, até que bateu no Supremo".

Os canais que mais apagaram vídeos continuam sendo o Gigante Patriota e o Terça Livre — este último do controvertido bolsonarista Allan dos Santos. Também colaborou para esse resultado expressivo o fato de que um desses canais, o Notícias da Hora, foi excluído pelo próprio YouTube. O dono do canal, Natalício Coelho, reclama de censura.

O YouTube interferiu em outros casos.

A plataforma deletou dois vídeos do canal de Sara Winter: o episódio "Joice me xingou de vagabunda" foi tirado do ar por "assédio e bullying", e outro, "Palestra - ideologia de gênero para os 300 do Brasil", por discurso de ódio.

No Terça Livre, o programa " China e OMS esconderam hidroxicloroquina de você" foi excluído. No BR Notícias, a peça "Explodiu - Fim do covid-19. Brasil sai na frente com cura" também foi retirada. Ambos porque disseminavam desinformação sobre coronavírus.

Guilherme Felitti diz que a "limpeza" continua. "Mas a faxina não significa que estão abandonando o barco. Alguns podem ter retirado os vídeos apenas temporariamente", explica.

Chico Alves