PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


Presidente do PSL de SP nega conciliação com Bolsonaro: "Governo se vendeu"

Deputado Júnior Bozzella e presidente Jair Bolsonaro - Divulgação e reprodução de vídeo
Deputado Júnior Bozzella e presidente Jair Bolsonaro Imagem: Divulgação e reprodução de vídeo
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

12/07/2020 13h25

Uma ligação feita há duas semanas de Jair Bolsonaro ao cacique do PSL, Luciano Bivar, representou a tentativa mais explícita de reaproximação de Jair Bolsonaro com o antigo partido, depois do ruidoso rompimento acontecido no ano passado. O contato foi revelado pelos jornalistas Paulo Cappelli e Naira Trindade, no jornal O Globo, e causou revolta em vários pesselistas, entre eles o senador Major Olímpio, que hoje foi ao Twitter deixar claro o que sentiu ao saber da negociação: "Me deu vontade de vomitar!"

O presidente do PSL de São Paulo, deputado Júnior Bozzella, garante que não haverá reaproximação com Bolsonaro. Ele encaminhou à coluna uma nota em que rejeita esse reatamento e explica os motivos.

"O PSL escolheu defender o Brasil e não garantir a si mesmo", diz Bozzella no texto, que destaca o preço que a legenda pagou por isso. Diz que os integrantes do partido foram injustamente acusados, caluniados, agredidos. "O Governo se vendeu. Trocou tudo aquilo que sempre disse defender e acreditar para garantir a sua sobrevivência", acusa.

A nota do deputado diz que agora "surge um Jair Bolsonaro arrependido", buscando reaproximação para engrossar sua base no Congresso e conter os que são contrários a "seus atos pouco republicanos".

"Você está arrependido, Jair Bolsonaro? Mas nós não!", escreve Bozzella. "Asseguro que nós, do PSL São Paulo, somos absolutamente contrários a qualquer negociação que envolva toma lá, da cá. Lutamos contra isso, fomos acusados de traidores porque não compactuávamos com isso, e agora nossa postura não será diferente. Muito obrigado, presidente, mas nós não estamos à venda, por gentileza, guarde os seus cargos para o Centrão e os seus amigos de estimação".

O pesselista mantém até o final do texto um tom duro em relação ao presidente. "Bolsonaro, um determinado dia, disse: "Esquece o PSL , tá ok?". Hoje ele volta implorando perdão a esse mesmo PSL. Perceberam quem é o traidor 'arrependido' ?".

A seguir, a íntegra da nota do deputado Júnior Bozzella:

"A trajetória política, e a vida, são feitas de escolhas. Há quase um ano o PSL foi colocado contra a parede, tentaram dizimar o partido para reconstruí-lo com o propósito de servir aos interesses de um grupo e não mais do povo brasileiro, mas resistimos bravamente!

Eles não contavam que encontrariam pela frente um Luciano Bivar, homem que acreditava no Brasil, na missão de combater a corrupção e salvar a economia mais do que qualquer coisa. Aqueles que tinham os mesmos valores se uniram e mostraram que não estavam à venda, que não sujariam as suas biografias em troca de cargos ou favores e, que acima de tudo, não trairiam o povo brasileiro.

O PSL escolheu defender o Brasil e não garantir a si mesmo. Trocou a condição confortável de ser aliado do poder para continuar brigando pelo combate à corrupção e lutando pelos interesses do povo. Como consequência pagamos um preço alto por isso. Fomos injustamente acusados, caluniados, agredidos, tentaram de todas as formas possíveis destruir o partido, mas a Justiça dos homens prevaleceu, e diante da transparência e lisura que sempre tivemos em tudo que se refere ao PSL, seguimos firmes e fortes na nossa caminhada.

Os fatos que ocorreram depois disso nos deram a certeza de termos feito a escolha certa. O Governo se vendeu. Trocou tudo aquilo que sempre disse defender e acreditar para garantir a sua sobrevivência. Bolsonaro demitiu todos aqueles que insistiram em defender as bandeiras pelas quais foi eleito, foram todos caindo um a um para dar espaço aos frutos das negociatas com o Centrão. O tão sonhado ministério técnico se transformou em mais uma utopia. Orçamentos bilionários da República sendo loteados àqueles que tinham mais apoio a oferecer ao governo para barrar investigações contra amigos e familiares.

Agora, depois de todos os ataques que sofremos, depois de todas as tentativas de acabar com o partido e com aqueles que faziam parte dele, surge um Jair Bolsonaro arrependido, querendo "desatar os nós com o PSL", "se aproximar" com o objetivo de ampliar a sua base e conter qualquer possibilidade de manifestação no Congresso contrária aos seus atos pouco republicanos. Você está arrependido, Jair Bolsonaro? Mas nós não! O nosso compromisso nunca foi com um homem, mas sim com os cerca de 209 milhões de brasileiros.

Nós temos dignidade e enquanto presidente estadual do PSL, asseguro que nós, do PSL São Paulo, somos absolutamente contrários a qualquer negociação que envolva toma lá, da cá. Lutamos contra isso, fomos acusados de traidores porque não compactuávamos com isso, e agora nossa postura não será diferente. Muito obrigado, presidente, mas nós não estamos à venda, por gentileza, guarde os seus cargos para o Centrão e os seus amigos de estimação.

Seguiremos apoiando as pautas em defesa do Brasil, mas não aceitaremos jamais qualquer negociação envolvendo cargos, simplesmente porque isso vai contra os valores do PSL e o nosso compromisso de fazer política de forma diferente do que sempre foi feito.

O PSL não perdeu o seu valor, moral e nem a independência, continuamos sempre votando a favor do Brasil sem precisar de toma lá, da cá. Bolsonaro um determinado dia disse: "Esquece o PSL , tá ok?". Hoje ele volta implorando perdão a esse mesmo PSL. Perceberam quem é o traídor "arrependido" ?

Deputado Federal Bozzella
(PSL/SP)"

Chico Alves