PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Indicação de Bia Kicis para CCJ deixa atônitos aliados de Lira e ala do PSL

Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

03/02/2021 14h15

A indicação da deputada Bia Kicis (PSL-DF) para presidir a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara deixou atônitos não só os adversários, mas também os aliados de Arthur Lira (Progressistas-AL), o novo chefão da Casa. A resistência ao nome da parlamentar é enorme no entorno de Lira e muitos deputados tentam reverter a escolha.

Não são poucos os que acham que é um absurdo colocar no comando da comissão encarregada de julgar a constitucionalidade dos projetos alguém que defende torturadores, apoia atos antidemocráticos e ofende ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Bia Kicis também é investigada pelo STF no inquérito que apura a divulgação de fake news.

O acordo que selou a escolha da deputada para presidir a comissão envolve a indicação do presidente do PSL, o deputado pernambucano Luciano Bivar, para a primeira secretaria da Câmara.

Mesmo pesselistas, no entanto, não gostaram da indicação de Kicis. A ala que não é afinada ao bolsonarismo deve resistir.

Alguns voltaram a cogitar a expulsão da deputada. Como a indicação para a presidência da CCJ é do partido, se ela sair do PSL não poderá ocupar o cargo. Essa hipótese, porém, já foi levantada em outros momentos de discordância, não prosperou e agora seria ainda mais remota.

Integrantes de outros partidos que apoiaram a eleição de Arthur Lira também não aceitam a escolha.

A saída mais viável discutida pelos descontentes, caso a indicação de Kicis para a CCJ seja confirmada, é a rejeição do nome dela pelos integrantes da comissão, que têm que referendar a escolha.

O assunto deverá ser tratado com prioridade assim que for definida a composição da Mesa Diretora da Casa.