PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Molon sobre "estado de mobilização": "Não aceitaremos projeto autoritário"

O deputado federal, Alessandro Molon (PSB-RJ) - Kleyton Amorim/UOL
O deputado federal, Alessandro Molon (PSB-RJ) Imagem: Kleyton Amorim/UOL
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

30/03/2021 16h44

A proposta feita hoje pelo líder do PSL na Câmara dos Deputados, Major Vítor Hugo, pedindo urgência na votação do projeto que cria o "estado de mobilização nacional" foi rejeitada no colégio de líderes. O texto dá ao presidente da República poderes de requisitar bens e serviços públicos e privados e controlar as polícias estaduais. O líder da oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ), criticou a iniciativa. "Tudo aponta para um projeto autoritário e isso nós não aceitaremos", declarou Molon à coluna.

Segundo o deputado fluminense, o pedido de Vítor Hugo não teve eco. Nenhum outro líder falou a favor do projeto, Arthur Lira disse que não colocaria em pauta.

"Num momento em que o presidente vem falando em estado de defesa e estado de sítio, tentar aprovar um projeto de lei que em alguma medida cria um outra figura chamada de mobilização nacional, em que PMs teriam protagonismo, é no mínimo estranho", diz Molon.

O pretexto do projeto é o enfrentamento da pandemia, mas o colégio de líderes não aceitou esse argumento. "Considerando o comportamento do presidente, tudo aponta para um projeto autoritário, e isso nós não aceitaremos", garante o líder da oposição.

A proposta ganha relevância por ter sido feita por Vítor Hugo, que reconhecidamente é muito ligado ao presidente da República. "Bolsonaro tem insistido por diversas formas em um caminho autoritário. Diante disso, a proposta causou preocupação", explica o parlamentar do PSB.

Aumentou a apreensão o fato de essa ideia ser retomada poucos dias depois de uma onda de fake news que incitaram a insubordinação nas polícias, por causa da morte de um PM na Bahia.

"São várias peças de um quebra-cabeça que vão se encaixando. Isso mostra que é necessário que redobremos a atenção e estamos a postos aqui para resistir a qualquer tentativa dessas", diz Molon. "Não vejo ambiente no Congresso para se apoiar esse tipo de aventura".