PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Diogo Schelp


Dados de celulares mostram impacto de discurso de Bolsonaro em isolamento

Presidente Jair Bolsonaro entra em carro ao deixar o Palácio da Alvorada - UESLEI MARCELINO
Presidente Jair Bolsonaro entra em carro ao deixar o Palácio da Alvorada Imagem: UESLEI MARCELINO
Diogo Schelp

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros ?Correspondente de Guerra? (Editora Contexto, com André Liohn) e ?No Teto do Mundo? (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Colunista do UOL

06/04/2020 17h06Atualizada em 07/04/2020 00h03

As idas e vindas na retórica adotada pelo presidente Jair Bolsonaro em relação ao isolamento social para conter o avanço da contaminação pelo novo coronavírus podem estar influenciando o nível de adesão de parte da população a essa medida. É o que sugere a análise de dados de geolocalização de cerca de 60 milhões de celulares em todo o Brasil compilados pela startup In Loco.

"O discurso descompassado entre o presidente e o Ministério da Saúde gera muita confusão e desinformação na população", diz o infectologista Júlio Croda, que recentemente deixou a diretoria do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do ministério por insistir na promoção do isolamento social como estratégia para conter a pandemia.

A empresa In Loco criou um índice de isolamento social, que nada mais é que a proporção de celulares que não são retirados durante o dia do local onde costumam passar a noite, o que indica que seus proprietários estão permanecendo em casa. A margem de erro médio da localização é de 3 metros. Ou seja, a tecnologia é bastante precisa.

O gráfico abaixo mostra a evolução do índice de isolamento social. Os picos indicam os dias em que uma proporção maior dos celulares monitorados (e portanto seus donos) ficou em um mesmo local.

Índice de Isolamento Social. A linha pontilhada indica a marca de 50% - In Loco/Divulgação
Índice de Isolamento Social. A linha pontilhada indica a marca de 50%
Imagem: In Loco/Divulgação

Bolsonaro considera excessivas as políticas adotadas pelos governos dos estados e as recomendações de isolamento feitas pelo seu próprio Ministério da Saúde, mas a intensidade com que se manifestou contra elas nas últimas semanas variou bastante.

Quando se compara o gráfico da In Loco com as principais declarações ou os atos do presidente relacionados ao tema do isolamento, observa-se que, nos dias seguintes, a porcentagem de pessoas que permanecem em casa costuma cair. Nos intervalos entre um pronunciamento e outro ou quando Bolsonaro ameniza o discurso, o índice de isolamento volta a subir ou estabiliza.

A primeira vez em que a proporção de pessoas que não saíram de casa ficou acima de 50%, por exemplo, foi no dia 15 de março. É preciso lembrar que, nos dias anteriores, o país viveu um intenso debate sobre os riscos de se convocar manifestações em apoio ao presidente em meio à epidemia e até grupos organizados da base bolsonarista recomendavam que a militância ficasse em casa. Além disso, governadores anunciavam medidas de restrições a serem adotadas a partir da semana seguinte.

No dia 15, porém, sem aviso prévio, o presidente resolveu confraternizar com os manifestantes em Brasília, contra todas as indicações de sanitárias — e contra o bom senso, já integrantes do seu governo haviam testado positivo para covid-19 e o próprio presidente podia estar infectado.

No dia seguinte às cenas de Bolsonaro tirando foto de rosto colado com apoiadores, o índice de isolamento social monitorado pela In Loco despencou de 51,3% para 38,5%. No dia 17, caiu ainda mais, para 29,9%.

Depois de uma enxurrada de críticas à postura de Bolsonaro, o governo adotou algumas medidas de contenção da epidemia, como o fechamento da fronteira com a Venezuela. No próprio dia 17, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, confirmou a primeira morte por covid-19 no Brasil. A partir daí, o índice de isolamento social voltou a subir, chegando ao pico de 69,5%, mais de dois terços dos celulares monitorados, no dia 22 de março, um domingo.

O presidente, no entanto, havia voltado à carga contra as medidas de isolamento. No próprio dia 22, ele criticou o "alarmismo" em torno da doença e disse que a epidemia no Brasil não ia ser tão ruim por causa do clima e porque a população de idosos é menor do na Itália. No dia 24, ele fez o desde já histórico pronunciamento em cadeia nacional em que comparou a covid-19 a uma "gripezinha" e defendeu o chamado "isolamento vertical", pelo qual apenas idosos e pessoas com certas doenças preexistentes ficariam em casa.

A partir daí, o índice de isolamento social oscilou para baixo, chegando a 47,2% no dia 1 de abril, registrando picos mais modestos nos finais de semana (64,2% no dia 29, um domingo, e 53,9% no último dia 4, um sábado).

Evidentemente, as falas do presidente não seriam capazes de explicar inteiramente a maior ou menor adesão da população ao isolamento social, mas de fato há uma coincidência de datas entre os momentos de maior embate de Bolsonaro contra essa medida e o aumento na proporção de pessoas que sai de casa.

Essa possível relação, no entanto, torna-se mais difusa nos últimos dias. Estariam os brasileiros dando cada vez menos ouvidos ao presidente?

Diogo Schelp