PUBLICIDADE
Topo

Em documento, Araújo critica "posicionamento dogmático" da OMS na pandemia

O presidente dos EUA, Donald Trump, cumprimenta o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, na Casa Branca - Reprodução/Twitter
O presidente dos EUA, Donald Trump, cumprimenta o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, na Casa Branca Imagem: Reprodução/Twitter
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

15/09/2020 06h09

O chanceler Ernesto Araújo critica a OMS por sua gestão da pandemia da covid-19 e acusa a agência por adotar uma postura "dogmática". Num documento submetido em 2 de setembro à bancada do PSOL na Câmara dos Deputados, o chefe da diplomacia brasileira deixou claro sua insatisfação em relação à agência mundial de Saúde.

Ao longo dos últimos meses, diferentes membros do governo brasileiro, inclusive o presidente Jair Bolsonaro, teceram críticas à direção da OMS. O tom repete o mesmo discurso adotado pelo governo de Donald Trump contra a agência.

No documento, o Itamaraty garante que tem mantido "ativa participação nas discussões na OMS", assim como em outras organizações.

Mas deixa claro que a OMS terá de mudar. "O Ministério das Relações Exteriores tem defendido maior transparência e celeridade na divulgação e apuração de informações sobre o SARS-CoV-2 por parte dos organismos internacionais relevantes, sobretudo da OMS", disse o ministro, indicando que tem mantido contato com governos estrangeiros para obter informações sobre a situação das pesquisas sobre o vírus.

"A pandemia revelou limitações e deficiências da OMS", escreveu Araújo. "Entre os pontos mais críticos assinalados na atuação da OMS, destacam-se: i) opacidade de processos de decisão, de revisão e de avaliação; ii) estrutura rígidas e ferramentas inadequadas, iii) posicionamento dogmático e lento diante da realidade cambiante; iv) recursos financeiros e humanos insuficiente e contingenciados".

Apesar de citar a falta de recursos, o Brasil é um dos maiores devedores da OMS, com um atraso no pagamento avaliado em US$ 32 milhões.

O Itamaraty ainda explicou que aderiu a uma proposta da UE para investigar a resposta da agência à pandemia. "Deverão ser esclarecidas as circunstâncias do aparecimento da doença e, consequentemente, as responsabilidades dos eventuais agentes envolvidos", destacou Araújo.

O governo brasileiro, porém, não conseguiu colocar nenhum de seus especialistas nos grupos formados pela comunidade internacional para conduzir uma reforma da OMS. A exclusão de brasileiros foi interpretada em Genebra como um sinal da perda de prestígio da diplomacia do país.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL