PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

"Cemitério do mundo", Brasil vê o enterro do que restava de sua reputação

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

18/03/2021 19h37

"Lamentamos muito". "Como está tua família?". "Quanto tempo falta para a próxima eleição?".

Entrar hoje sede da ONU, em Genebra, na condição de brasileiro é se deparar com comentários indignados, gestos sinceros de solidariedade, questionamentos e um certo grau de desconfiança vindos de todos os níveis. Do mais alto escalão de diplomatas aos funcionários mais modestos.

Nesta quinta-feira, os dados da pandemia no mundo divulgados no site da OMS dão uma dimensão da crise brasileira. No período de 24 horas considerado até o meio-dia, o mapa apresentava o Brasil com 2841 óbitos.

O número é o equivalente a todas as mortes somadas nos seis países seguintes no ranking da agência de Saúde.

No mesmo período, morreram 993 pessoas nos EUA, 460 na Rússia, 431 na Itália, 356 na Polônia, 267 na Ucrânia e 236 na França. No total, o Brasil correspondeu a quase 30% de todas as mortes por covid-19 no mundo nessas 24 horas. Em termos de novas contaminações, também somos líderes.

Mas muito além dos números, o Brasil lidera acima de tudo num outro critério: o da falta de rumo. Entre diplomatas e negociadores estrangeiros, se desfaz em alta velocidade o que restava de uma reputação já abalada do país.

A percepção é de que vírus poderia ser inevitável. Mas não a dimensão da destruição que ele está causando no país. "E, nesse aspecto, a responsabilidade é diretamente do presidente (Jair Bolsonaro), que se recusou a assumir a tarefa de proteger seu povo", comenta um interlocutor nas Nações Unidas.

Além da responsabilidade, há também uma constatação da fragilidade de um sistema de um país já desigual, racista e injusto. O próprio diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, admitiu há poucos dias sua surpresa diante do colapso do sistema de saúde do Brasil. "Não era o que esperávamos", disse.

Num tom indignado, o garçom asiático responsável por servir café no único bar aberto da ONU nesses dias me lançou uma pergunta por sobre o balcão: "vocês não vão reagir não?".

Não faltam ainda os momentos em que afloram os velhos e insistentes traços da xenofobia de uma certa camada da população europeia. "Um caos desse já era de se esperar quando o vírus chegasse a um local como o Brasil", comentou um dos responsáveis pela área de tecnologia no prédio da ONU.

Dentro de mim, um só pensamento surgiu ao ouvir essa frase: "com que moral agora vou rebater a tal comentário?". Hoje, constato que, para o mundo, meu país é uma mistura de um sinônimo de morte, incompetência, fundamentalismo religioso e negacionismo.

Desesperadora, a situação brasileira começa a ser é alvo de um debate internacional, inclusive no sentido de avaliar algum tipo de resgate. Não por simpatia ao presidente Bolsonaro. Mas por uma constatação da comunidade estrangeira de que o país representa uma ameaça sanitária. "O que ocorre no Brasil importa", disse Mike Ryan, diretor de operações da OMS.

Questionei um membro do alto escalão da OMS se não era o caso de ampliar a ajuda internacional ao Brasil. A resposta foi reveladora de como uma gestão incompetente pode ter um papel decisivo. "Estamos fazendo o que podemos. Mas a falta de uma coordenação nacional e mensagens que contradizem nossas recomendações não ajudam".

Ao final desta quinta-feira, ao deixar a sede da ONU em Genebra, encontrei um velho amigo diplomata por um dos corredores semi-vazios do imponente prédio. O objetivo era de que ele me contasse, em off, bastidores de algumas negociações sobre resoluções que serão votadas nos próximos dias. Mas logo o tema da conversa voltou a ser a tragédia brasileira.

"O Brasil parece ser hoje o cemitério do mundo", lamentou o embaixador estrangeiro, numa frase que parecia soar pelas paredes de mármore. Vendo minha reação claramente emocionada, ele completou com um comentário ainda mais dolorido: "Gostaria de te dar um abraço. Mas você esteve no Brasil recentemente?"

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL