PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Relatores da ONU questionam nomeação de Sérgio Camargo para Palmares

                                 O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, ao lado do presidente Jair Bolsonaro                              -                                 FACEBOOK/REPRODUÇÃO
O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, ao lado do presidente Jair Bolsonaro Imagem: FACEBOOK/REPRODUÇÃO
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

08/04/2021 11h01

Resumo da notícia

  • Em carta, peritos sugerem "inaptidão" do presidente da Fundação e listam polêmicas
  • Em resposta, governo rebateu críticas e diz que visões diferentes são sinais de "maturidade" de uma democracia

Num gesto raro, órgãos e relatores da ONU enviam uma carta ao governo brasileiro questionando a nomeação de Sérgio Camargo para presidir a Fundação Cultural Palmares. O documento foi enviado no dia 18 de janeiro e é assinado pelos relatores sobre o racismo Tendayi Achiume, Dominique Day, chefe do Grupo de Trabalho de pessoas de Descendência Africana, e Irene Khan, relatora da ONU para a promoção de liberdade de expressão.

Se desde 2019 o governo brasileiro vem sendo alvo de repetidas denúncias por parte dos mecanismos especiais da ONU, de uma maneira inédita desde o fim do regime militar, a carta sobre Sérgio Camargo é a primeira a questionar de uma forma explícita a aptidão de uma pessoa escolhida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para um cargo público.

"Gostaríamos de levar ao conhecimento do Governo de Vossa Excelência as informações que recebemos a respeito das declarações racistas feitas pelo Sr. Sérgio Camargo, que foi recentemente nomeado Presidente da Fundação Cultural Palmares", afirma o documento, obtido pela coluna.

"Declarações racistas também foram publicadas no site da fundação. Além disso, sob a liderança do Sr. Camargo, foram feitas algumas mudanças estruturais na fundação que podem prejudicar a tomada de decisão transparente e participativa dentro da instituição", denunciam.

"Segundo as informações recebidas, o Sr. Camargo fez várias declarações racistas, inclusive negando a existência de racismo no Brasil e justificando que a escravidão havia beneficiado pessoas de ascendência africana", aponta a carta.

Os relatores relembram que a nomeação foi inicialmente suspensa por um tribunal, uma vez que tais declarações eram contrárias ao objetivo principal da fundação. "Esta decisão enfatizou que o principal mandato da Fundação Cultural Palmares se concentra na promoção e preservação da cultura afro-brasileira, além de combater o racismo e identificar e reconhecer os remanescentes das comunidades quilombolas", disse.

"Após uma análise cuidadosa das publicações postadas pelo Sr. Sérgio Camargo em suas redes de mídia social, a Corte concluiu que essas publicações eram contra minorias raciais que estão no centro do mandato da instituição para a qual o Sr. Camargo havia sido nomeado", afirmou.

"A Corte decidiu que a nomeação do Sr. Camargo para o cargo de Presidente da Fundação Cultural Palmares era contra a essência de seu mandato e contradizia o princípio constitucional de igualdade, bem como a valorização e a proteção da cultura afro-brasileira", lembrou. Mas a carta indicou, como em fevereiro de 2020, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) anulou a decisão da corte.

"Inaceitável"

Para os relatores, porém, a postura de Camargo continuou a ser questionável. "O Brasil comemora o "Dia da Consciência Negra", em 20 de novembro, data da morte de Zumbi dos Palmares que representa um símbolo da luta e resistência dos povos de ascendência africana escravizados no Brasil. O Sr. Camargo fez declarações públicas promovendo a eliminação deste dia comemorativo", destacam os relatores.

A carta ainda lembra como, em 13 de maio de 2020, data comemorativa do aniversário da abolição da escravatura no Brasil, o site oficial da Fundação Cultural Palmares publicou mensagens criticando Zumbi dos Palmares e questionando a relevância do "Dia da Conscientização Negra". "Estas mensagens foram eliminadas após uma ordem da 9ª Vara Federal do Distrito Federal", diz o documento.

"O Sr. Camargo afirmou em seus relatos na mídia social que Zumbi dos Palmares é um 'herói da esquerda racialista, não do povo brasileiro"". Nós repudiamos Zumbi"". Em 26 de maio, ele anunciou o uso de um selo da Fundação Cultural Palmares para certificar "que uma pessoa não é racista", destacou o documento.

Mudança estrutural afeta participação

A carta ainda destaca como Camargo promoveu mudanças na estrutura da Fundação através da Portaria nº 45 de 2 de março de 2020, eliminando sete órgãos colegiados que compunham a fundação, incluindo o Comitê de Gestão do Parque Memorial Quilombo dos Palmares.

"Esta mudança visa centralizar a tomada de decisões e limitar a participação de vários atores relevantes para o trabalho da Fundação", diz o texto, que ainda cita eventuais violações da Constituição Brasileira.

"Como resultado dessas mudanças, algumas comunidades afro-brasileiras terão perdido o acesso a espaços de diálogo sobre decisões e elaboração de políticas dentro da Fundação. Além disso, o Sr. Camargo tem defendido a eliminação de uma medida de ação afirmativa legalmente estabelecida em 2012, que promove o acesso ao ensino superior por afro-brasileiros visando reduzir a lacuna de seu acesso ao mercado de trabalho", declaram os relatores.

"Também estamos seriamente preocupados com as alegações relativas às tentativas de centralizar a tomada de decisão da Fundação Cultural Palmares, o que pode prejudicar sua transparência e tomada de decisão participativa. Estas mudanças estruturais podem minar a participação das comunidades afro-brasileiras e quilombolas nos assuntos públicos e silenciar sua voz em assuntos que as afetam diretamente.

Comentários depreciativos e "Caso Carrefour"

A carta ainda cita outros incidentes. "De acordo com as informações recebidas, o Sr. Camargo tem feito muitas vezes comentários depreciativos contra a cultura e religião afro-brasileira e quilombola, indo contra o objetivo principal da Fundação Cultural Palmares que é a promoção e preservação do legado cultural dos afrodescendentes na sociedade brasileira", dizem os relatores.

"Além disso, no dia 19 de novembro de 2020, um dia antes da celebração da "Consciência Negra", após a morte violenta nas mãos de seguranças particulares de um indivíduo afro-brasileiro em frente a um supermercado em Porto Alegre, o Sr. Camargo postou, segundo informações, algumas declarações em sua mídia social referindo-se a esta vítima "não representando os honrados negros", lembra o documento, numa referência à violência fatal de seguranças contra um homem negro numa loja do Carrefour.

"O Sr. Camargo também escreveu que "não há racismo estrutural no Brasil; nosso racismo é circunstancial". Ele também compartilhou um vídeo no qual ele insiste: "O Dia da Consciência Negra no Brasil deve terminar". É uma data que a esquerda se apropriou para propagar a vitimização e o ressentimento racial", insistiram.

Relatores questionam aptidão de Camargo

Solicitando do governo brasileiro diversas respostas sobre os gestos do presidente da Fundação, os relatores são claros em questionar a permanência de Camargo em seu cargo.

"Gostaríamos de expressar nossa séria preocupação com as declarações racistas feitas pelo Presidente da Fundação Cultural Palmares, Sr. Sérgio Camargo. Como mencionado acima, esta fundação foi criada para a promoção e conservação dos legados culturais, sociais e econômicos de pessoas de ascendência africana no Brasil, portanto, é inaceitável que mensagens denegrindo a cultura afro-brasileira e desconsiderando as consequências da escravidão possam ser tornadas públicas no website de tal instituição", dizem.

"Também estamos seriamente preocupados com as últimas declarações feitas pelo Sr. Camargo sobre o assassinato de um indivíduo afro-brasileiro que desconsidera o ato de violência cometido contra ele e incita ao discurso político racista contra pessoas de ascendência africana", insistem.

"Desejamos também expressar séria preocupação com relação à aptidão do Sr. Camargo para o cargo de Presidente à luz da sentença emitida por pelo menos uma câmara do Tribunal Federal. Embora esta sentença tenha sido posteriormente anulada, ela fornece um forte apoio às preocupações expressas pelos afro-brasileiros com relação à suposta inaptidão do Sr. Camargo para o cargo de Presidente da Fundação", alertam os relatores.

Governo tem obrigações

No texto, os representantes internacionais ainda fizeram questão de apontar que o governo tem obrigação de proibir por lei qualquer defesa do ódio que constitua incitamento à discriminação, e o dever de tomar medidas para evitar a discriminação.

"Observamos que estas obrigações se aplicam também em relação às declarações feitas por funcionários públicos, e que elas podem se aplicar com particular força aos funcionários públicos que ocupam posições de destaque. Tais declarações podem, dependendo das circunstâncias, ser atribuídas ao Estado", alertaram.


Respostas da Fundação Palmares: nomeação é legítima

No dia 18 de março, o governo respondeu e indicou que, apesar do questionamento existente sobre Camargo, sua posição é uma de "confiança". Além disso, destaca-se que tais escolhas para cargos semelhantes apontam uma "identificação com as prioridades e escolhas do governo".

Em uma resposta de mais de 20 páginas, o governo explica que o currículo de Camargo foi avaliado pelo presidente Bolsonaro e que ele foi considerado como adequando para a presidência da Fundação.

Citando a decisão judicial, a resposta ainda insiste que a expressão de opinião nas redes sociais não pode ser considerada como um impedimento legal, moral e ético para preencher um posto. A resposta também insiste que convicções políticas não podem ser critérios nesse caso.

O documento também insiste que sua nomeação é "legítima" e que as informações que os relatores receberam vieram de pessoas que não querem que Camargo ocupe o cargo.

Sobre seus comentários relativos ao caso de Zumbi, a resposta tenta justificar a ação e aponta que visões divergentes revelam "regimes democráticos maduros". Ele também aponta que, no caso dos comentários sobre a morte no Carrefour, em nenhum momento justificou a violência praticada pelos seguranças.

A carta de resposta ainda traz uma lista de medidas adotadas pela Fundação, assim como iniciativas de auditorias internas e ações administrativas.