PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Sob pressão, governo Bolsonaro faz aproximação com OMS

29.abr.2020 - O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante coletiva de imprensa - Pavlo Gonchar/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
29.abr.2020 - O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante coletiva de imprensa Imagem: Pavlo Gonchar/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

26/04/2021 10h03

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido

Resumo da notícia

  • Marcelo Queiroga deve participar nesta semana de coletiva de imprensa conjunta com OMS
  • Agência vê novo tom usado pelo Brasil como oportunidade para maior cooperação com governo para lidar com pandemia

O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deverá participar nesta semana da tradicional coletiva de imprensa global da OMS, organizada para jornalistas de todo o mundo. O brasileiro foi convidado pelo diretor-geral da entidade, Tedros Ghebreysus.

Segundo fontes em Brasília, o governo brasileiro já deu uma sinalização positiva ao evento e a ideia é de que Queiroga seja o convidado da conferência na próxima sexta-feira. O formato de sua participação ainda está sendo avaliado. A coletiva de imprensa sobre a covid-19 é realizada duas vezes por semana pela OMS e acompanhada por centenas de jornalistas e observadores em todo o mundo.

Se confirmada, a participação será considerada como um sinal da disposição do governo do Brasil em sintonizar seu discurso com a OMS, pela primeira vez em mais de um ano de pandemia.

Pressionado e diante de uma CPI, o governo foi alvo de recomendações internas para que adotasse um novo tom e uma relação positiva com as agências internacionais. Além disso, negociadores acreditam que uma melhor relação com a agência poderá ajudar o país a obter mais vacinas.

Com a crise na qual mergulha a Índia, as exportações de vacinas do país para o mecanismo de distribuição de doses foram suspensas no início do mês, afetando o cronograma de entregas pelo mundo.

As doses para o Brasil são garantidas a partir de uma fabricação na Coreia do Sul. Mas uma interrupção de doses indianas pode afetar o mercado global e também gerar um atraso nas entregas para o país.

Em março, Queiroga já se reuniu com Tedros, estabelecendo uma cooperação para que a OMS auxilie o Brasil a aumentar a produção de vacinas. Na semana passada foi a vez de o chefe da agência manter um encontro com o chanceler Carlos França.

Os encontros ocorreram depois de meses de ataques do presidente Jair Bolsonaro contra a OMS e contra seu próprio diretor. O brasileiro chegou a dizer que não seguiria as recomendações da agência, apontando que Tedros "sequer era médico". As recomendações da entidade, porém, não são produzidas pelo diretor, e sim por equipes de cientistas e com base em pesquisas.

Desde a semana passada, o tom da OMS também mudou. Em público, a agência "agradeceu" as medidas que estão sendo tomadas no Brasil, sem explicar quais seriam. Na agência, porém, a brecha aberta pelo governo brasileiro para um diálogo é considerada como uma oportunidade que deve ser usada para ampliar a cooperação com o país e permitir que medidas sejam tomadas para frear o vírus.