PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Contra xenofobia, OMS "desnacionaliza" mutações e batiza variantes

Pessoas colocam o corpo de um homem que morreu de covid-19, em uma pira antes de sua cremação nas margens do rio Ganges em Garhmukteshwar, no estado norte de Uttar Pradesh, Índia - Danish Siddiqui/Reuters
Pessoas colocam o corpo de um homem que morreu de covid-19, em uma pira antes de sua cremação nas margens do rio Ganges em Garhmukteshwar, no estado norte de Uttar Pradesh, Índia Imagem: Danish Siddiqui/Reuters
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

31/05/2021 17h29Atualizada em 31/05/2021 18h09

Resumo da notícia

  • Vírus primeiro identificado no Reino Unido passará a se chamar Alpha.
  • No caso da mutação sul-africana, o nome dado é Beta.
  • Gamma é o nome escolhido para a variante primeiro identificada em brasileiros
  • O que era chamado de "vírus indiano" passa a ser conhecido apenas como Delta.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) "desnacionaliza" as mutações do vírus da covid-19, num esforço para reduzir a xenofobia e ataques contra indivíduos de países onde as variantes foram identificadas.

Após um longo processo de avaliação, a agência determinou que o vírus primeiro identificado no Reino Unido passará a se chamar Alpha. No caso da mutação sul-africana, o nome dado é Beta.

A mutação identificada no Brasil e que já representa 90% dos novos casos de contaminação é a Gamma, enquanto o que era chamado de "vírus indiano" passa a ser conhecido apenas como Delta.

OMS anuncia novos nomes para mutações da covid-19 - Arte/UOL - Arte/UOL
OMS anuncia novos nomes para mutações da covid-19
Imagem: Arte/UOL

Desde o início da pandemia, a OMS vem alertando para a onda de xenofobia, inicialmente dirigida contra chineses e asiáticos. Não contribuiu ao processo o fato de que presidentes como Donald Trump e Jair Bolsonaro falaram publicamente em "vírus chinês".

O termo "covid-19" foi cunhado no início de 2020 justamente para tentar evitar classificar a nova doença como "coronavírus chinês".

Com as mutações, porém, o que era uma campanha política contra a China por parte de aliados de Bolsonaro se transformou em um tiro no pé. Nas redes sociais pela Europa, o "vírus brasileiro" ou "variante brasileira" passaram a ser usados em ofensas sexistas, ataques contra mulheres brasileiras ou LGBTQIA+.

A esperança da OMS é de que, a partir de agora, não se use mais referências nacionais, ainda que a demora para se chegar aos novos nomes possa ter sido fatal para essa estratégia.

Ao longo de décadas a agência fez questão de desenhar modelos para desnacionalizar patógenos, principalmente diante da polêmica sobre a Gripe Espanhola.

Há pouco mais de dez anos, porém, a "gripe suína" também impôs um desafio, já que o setor de carnes temia que a referência prejudicasse seus negócios.