PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Bolsonaro recorre às táticas da extrema-direita mundial para atacar máscara

Na pandemia de coronavírus, Bolsonaro já apareceu sem máscara em diversas ocasiões - EVARISTO SA/AFP
Na pandemia de coronavírus, Bolsonaro já apareceu sem máscara em diversas ocasiões Imagem: EVARISTO SA/AFP
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

13/06/2021 04h00

Ao elevar o uso ou não da máscara a um debate político, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) repete uma narrativa e recorre às mesmas estratégias adotadas pela extrema-direita pelo mundo.

A questão não tem relação com liberdade e nem com saúde. Mas com ideologia.

Estudos em diferentes partes do mundo já revelaram que a máscara é um instrumento eficiente para impedir a transmissão do vírus e, em locais onde o distanciamento social não consegue ser realizado, ela é fundamental no arsenal da luta contra a covid-19.

Na OMS, a lógica é clara: a vacina impede a morte. Mas serão as medidas sociais, entre elas o uso da máscara, que permitirão a queda na transmissão do vírus.

Mas, nos últimos meses, grupos de extrema-direita nos EUA, Europa e em várias partes do mundo passaram a recorrer ao debate das máscaras como uma bandeira de uma suposta liberdade individual.

Nada disso é novo e a tensão entre saúde e liberdades individuais se mistura com a própria história de políticas públicas. Durante a Gripe Espanhola, uma Liga Anti-Máscara foi criada em São Francisco em 1919, diante da decisão das autoridades de exigir que a proteção fosse usada em locais públicos. Entre os argumentos usados, um deles dialoga com o debate atual: a máscara viola as liberdades civis.

Na Europa, décadas antes, os avanços obtidos por Louis Pasteur e Robert Koch promoveram uma verdade revolução da ciência e deram bases para o que conhecemos hoje como saúde pública. Mas suas descobertas sobre bactérias infeciosas levaram diferentes grupos a questionar se a imposição de quarentenas não significa o fim das liberdades individuais.

No começo do século 20, em Massachusetts (EUA), uma decisão judicial foi considerada como histórica, abrindo caminho para que governos pudessem agir inclusive com o uso de forças de ordem para controlar uma epidemia. O tribunal estabelecia o direito do povo, via seus representantes eleitos, para adotar leis sanitárias que "protejam o bem público".

Mais de um século depois, o movimento de questionamento às medidas sanitárias ganha uma conotação claramente ideológica. Nos EUA, pesquisas já revelaram que grande parte dos integrantes de movimentos antimáscaras são homens brancos e republicanos. Esses são os mesmos que difundem ou são vítimas da difusão de teorias conspiratórias de que a máscara o símbolo do ataque à liberdade de expressão, que a pandemia é um exagero da imprensa e que todo o cenário é uma grande manipulação de governos para dominar suas populações.

A mesma pesquisa revela que pessoas que se identificavam como Democratas afirmaram em 70% dos casos que sempre usavam máscaras ao sair de casa. Entre os republicanos, a taxa era de apenas 37%.

Na Alemanha, o partido de extrema-direita AFD também passou a usar em sua campanha eleitoral apelos para o fim de lockdowns e a recusa de usar máscaras em certos locais. Em regiões do que era a Alemanha Oriental, a mensagem tem atraído apoio, principalmente das populações mais frustradas com a situação econômica.

Na França, um levantamento da Fundação Jean Jaures concluiu que, dentro de movimentos antimáscara, 94% dos participantes também dizem que não vão se vacinar e apenas 2% do grupo diz confiar em Emmanuel Macron.

No final de maio, um movimento antimáscara fechou um shopping center em Londres para protestar contra o uso da proteção. Em seus cartazes, os integrantes do movimento diziam: "isso é tirania".

Ao propor não usar a máscara, o que esses partidos e movimentos fazem é exatamente perpetuar uma sociedade sem liberdades.

Milhões de trabalhadores, a cada dia, se arriscam no transporte público e não tem opção se quiserem sobreviver. A máscara, para muitos, é o escudo último numa pandemia que revelou a dimensão de injustiça social.

Autoritária, portanto, a bandeira antimáscara amplia a desigualdade, retira a única proteção para milhões de pessoas e simplesmente mata.