PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Investimento no Brasil retrocede 20 anos, e país despenca em ranking global

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

21/06/2021 02h00

Resumo da notícia

  • País caiu da 6ª posição para a 11ª entre principais destinos de investimentos no mundo, segundo a ONU
  • Fluxos de recursos externos voltaram aos patamares que o Brasil registrava há 20 anos e México assume a liderança latino-americana
  • Empresas brasileiras ainda encolheram no exterior e projeção é de que recuperação dos fluxos apenas ocorra em 2023

O isolamento do país ganha contornos econômicos reais. Com uma contração recorde de 62% na atração de investimentos por conta da incapacidade de controlar a pandemia da covid-19 e diante das incertezas sobre os destinos econômicos e políticos do país, o Brasil despencou no ranking da ONU dos locais que mais receberam recursos externos em 2020.

Para a entidade, há uma correlação entre a falta de medidas sociais de controle do vírus e o impacto econômico.

Em 2019, a economia brasileira era a sexta no ranking da ONU de atração de investimentos no mundo, anúncio que chegou a ser comemorado pelo presidente Jair Bolsonaro em suas redes sociais. O país, porém, terminou o ano de 2020 apenas como o 11º maior beneficiário e perdeu até mesmo a liderança na América Latina.

Os novos níveis de investimentos no país são equivalentes apenas ao que se registrou há 20 anos. Em 2012, o Brasil chegou a ser colocado pela Unctad (Conferência da ONU para o Comércio e o Desenvolvimento) como o terceiro país mais citado por multinacionais como destino preferido de investimentos. A partir de 2010, a economia nacional variou entre a quarta e quinta maior receptora de investimentos do mundo, situação que começou a mudar em 2019 e agora se aprofundou num colapso ainda maior.

Para 2021 e 2022, a projeção da ONU é de que a incerteza política e a crise sanitária podem perpetuar um baixo nível de investimentos no país. As estimativas avaliam que o atual ano pode registrar uma variação entre -5% e +5% no fluxo ao país.

Dados publicados nesta segunda-feira pela Unctad revelam que o Brasil recebeu US$ 24,8 bilhões em investimentos diretos em 2020, contra US$ 65 bilhões um ano antes, uma queda de 62%.

Com o resultado, o Brasil perdeu espaço entre os principais destinos, foi superado por Suécia, Alemanha, Índia e Luxemburgo e, na América Latina, foi ultrapassado pelo México.

Se a contração esteve relacionada com a queda da economia mundial em 2020 por conta da covid-19, os números globais revelam que nem todos os países sofreram uma retração da mesma proporção do Brasil.

Na média mundial, a queda foi de 35% e atingindo um total de US$ 1 trilhão. Nos países ricos, a contração chegou a 58%. Mas, ainda assim, abaixo do desabamento registrado no Brasil.

O país também destoou da média dos emergentes, que viram uma retração de apenas 8% nos investimentos. A Ásia, que primeiro se recuperou da covid-19, chegou a registrar uma alta de 4% no fluxo e hoje representa 50% de todo o destino de investimentos. Para 2021, a previsão do informe é de que haverá uma leve recuperação no fluxo global, entre 10 e 15%.

O ranking é liderado pelos EUA, seguido por China, Hong Kong, Cingapura e Índia. Tanto Pequim como Nova Déli registraram uma alta no fluxo de investimentos nesse período.

Níveis mais baixos em 20 anos

No caso do Brasil, a ONU constata que o volume de investimentos recebidos foi "o mais baixo em duas décadas".

Para a entidade, há uma correlação direta entre a pandemia, a falta de medidas sociais de controle e o desabamento registrado.

"Experimentando tanto a maior incidência de casos e mortes da covid-19 na região quanto uma severa contração econômica, o Brasil adotou medidas suaves de contenção da mobilidade da população e implementou transferências fiscais destinadas à população vulnerável", disse. Isso, segundo a ONU, atenuou a contração do PIB.

O Brasil ainda foi citado como um "exemplo" de um país que viu seu projeto de privatização afetado pela pandemia.

"A crise da covid-19 desacelerou os programas de privatização em andamento devido à elevada incerteza e à menor demanda do mercado. Por exemplo, os programas no Brasil e no Vietnã sofreram retrocessos", disse.

"O Brasil lançou seu programa de privatizações no final de 2018 com a expectativa de reduzir o número de empresas públicas de 134 para 12. Durante 2020, apenas duas privatizações foram concluídas", constatou.

Os dados revelam uma queda de fluxos de 37% para o setor de serviços, refletindo uma redução do investimento estrangeiro em serviços de eletricidade e gás (-62%), comércio (-33%), serviços financeiros (-68%) e transporte e logística (-90%).

Em contraste, o setor de seguros registrou um aumento sem precedentes de investimentos, depois que a CNP Assurances (França) adquiriu a carteira de seguros da Caixa por US$ 1,9 bilhão.

Mas, no setor de petróleo, a queda foi de quase 60%. A queda não foi maior por conta das privatizações. A Petrobras fechou um acordo com a Trident Energy Management (Reino Unido), que adquiriu uma participação de 52% da Enchova & Pampo Oil Hubs por um valor estimado em US$ 1,1 bilhão. A Karoon Energy (Austrália) comprou um campo de petróleo por um valor estimado em US$ 665 milhões.

A ONU aponta que o programa de privatização está previsto para ser reformulado em 2021. "Nos primeiros meses do ano, três planos de privatização já tinham obtido aprovação legislativa: para os correios; para a empresa de radiodifusão EBC e para a venda de uma participação na Eletrobras, a maior fornecedora de eletricidade do país.

Apesar da situação complicada em 2020, a ONU estima que existe um "interesse contínuo dos investidores estrangeiros em investir em energia renovável no país".

América Latina: pior desempenho entre todas as regiões

A crise brasileira influenciou o resto do continente latino-americano. A região registrou uma contração de 45% no fluxo de investimentos, somando US$ 88 bilhões. O declínio foi o mais acentuado entre as regiões em desenvolvimento.

"O continente sofreu a maior taxa de mortalidade COVID-19 do mundo até hoje, e suas economias enfrentaram um colapso na demanda de exportação, uma queda nos preços das commodities e o desaparecimento do turismo", constata.

A ONU admite que, para os exportadores de minerais e metais, a queda foi parcialmente amortecida pela recuperação relativamente rápida dos preços das commodities durante o segundo semestre do ano.

Empresas brasileiras perdem espaço no exterior

A região ainda foi afetada por um desinvestimento no exterior, com um resultado negativo de US$ 3,5 bilhões. Com problemas de caixa, empresas brasileiras repatriaram recursos de suas subsidiárias no exterior.

"O colapso foi causado principalmente pelas saídas em grande parte negativas de empresas brasileiras (- US$ 26 bilhões), que continuaram a buscar fundos através de suas subsidiárias no exterior", disse a ONU.

No total, multinacionais latino-americanas repatriaram US$ 50 bilhões neste período.

O resultado foi parcialmente compensado pelas empresas chilenas, que aumentaram as saídas de capital em 25% para US$ 12 bilhões. As empresas mexicanas também aumentaram os investimentos no exterior. "De modo geral, o Chile, a Colômbia e o México geraram quase todos os investimentos externos da América Latina", constata.

Estagnação e retorno apenas em 2023

As projeções da ONU apontam que, de fato, a recuperação latino-americana não será fácil. "Em 2021, espera-se que os investimentos externos para a região permaneçam estagnados, desafiado por muitos riscos negativos, incluindo incertezas econômicas e políticas", diz. Para 2021, o fluxo ficará abaixo do aumento médio esperado para as economias em desenvolvimento como um todo.

"Mesmo assumindo que as condições fiscais e monetárias continuem a acomodar a recuperação econômica e que as campanhas de vacinação façam progressos rápidos, não se espera que o investimento externo se recupere a seu nível pré-crise antes de 2023", alerta a ONU.

Para o ano, espera-se que o PIB real cresça a um ritmo de 4,4% na América do Sul, abaixo da recuperação de 6,7% esperada nos países emergentes e em desenvolvimento.

"A América Latina é severamente afetada pela crise da covid-19, e sua recuperação pode ficar atrás da de outras regiões", constata a ONU. "As medidas de estímulo fiscal nos Estados Unidos devem dar algum impulso à região mais ampla através do comércio e das remessas, mas a incerteza política é alta, com eleições gerais programadas para 2021 e 2022 em várias das principais economias receptoras de IDE (incluindo Chile, Colômbia e Brasil)", completa.