PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Papa bota cocar e quer bispos denunciando violações na floresta; veja vídeo

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

20/06/2022 11h23

Num gesto simbólico forte, o papa Francisco recebeu nesta segunda-feira por quase duas horas os bispos da região da Amazônia. Na pauta, o papel da Igreja Católica e a violência contra os povos indígenas e vulneráveis. O pontífice ainda terminou o encontro colocando cocar enviado pelos povos da Amazônia e brincou: "imagina se eu apareço na (Praça) São Pedro com isso?", arrancando gargalhadas.

Francisco recebeu do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) um relatório sobre a violência na região e, segundo religiosos que estavam no encontro, se mostrou "profundamente consciente" do que estava ocorrendo no local.

A reunião nesta manhã contou com 17 bispos vindo da Amazônia, mais especificamente dos Estados do Amazonas, Acre e Roraima.

Em conversa com o UOL, o bispo de Porto Velho, Dom Roque Paloschi, explicou que o papa orientou os religiosos a ficarem ao lado dos indígenas e de sempre respeitarem a cultura local.

Mas o bispo indicou que o encontro também foi de esperança. "Ele nos motivou a vivermos a nossa missão de pastores e não burocratas, de não perdemos este foco. E de coragem, para estar junto com as populações mais pobres e, sobretudo, que a Igreja saiba respeitar as culturas, o desafio da encarnação", afirmou.

Dom Roque indicou que os casos específicos de Dom Phillips e Bruno Pereira não foram tratados. Mas revelou que o papa sabe das dificuldades da região e da necessidade de se modificar a forma de lidar com os biomas.

Segundo a agência oficial da Santa Sé, outro recado do papa foi para que os bispos atuem "sem medo" e que denunciem aqueles que violem os direitos das populações indígenas. Lúcio Nicoletto, administrador apostólico de Roraima, afirmou que o pontífice encorajou os bispos a atuarem "sem medo de encarar os desafios que nos apresenta o momento atual, que precisa de uma palavra profética para anunciar a esperança do Evangelho da vida, mas também denunciar tudo aquilo pisoteia os direitos fundamentais das populações indígenas e do cuidado com a casa comum".