PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro tornou-se prisioneiro de sua inverdade

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

25/06/2020 05h18

No trecho predileto de Bolsonaro, o Evangelho de João anota: "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." No inquérito sobre a tentativa de transformar a Polícia Federal em aparato político, o capitão tornou-se prisioneiro de uma inverdade. A partir de esclarecimentos prestados pelo general Augusto Heleno, amigo do presidente e ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, descobriu-se que Bolsonaro opera num mundo em que há duas verdades: a dele e a verdadeira.

Heleno informou à Polícia Federal que "não houve óbices ou embaraços" para a realização de substituições na equipe de segurança de Bolsonaro no Rio de Janeiro. Confirmou que houve três trocas. Com isso, virou farelo o argumento que Bolsonaro vinha esgrimindo de que se dirigia a Heleno, não a Sergio Moro, quando cobrou, na reunião ministerial de 22 de abril, mudanças na "segurança" do Rio de Janeiro.

Ficou entendido que Bolsonaro falava mesmo sobre Polícia Federal quando disse que não iria esperar pelo surgimento de "sacanagem" contra sua família e amigos para trocar o comando da "segurança" no Rio. "Se não puder trocar, troca o chefe dele. Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro. E ponto final. Não estamos aqui para brincadeira", disse o presidente na fatídica reunião.

Bolsonaro se considera um bom presidente, acha que merece respeito. A Polícia Federal passou a considerar que ele merece um bom interrogatório. Nos próximos dias, o presidente passará por constrangimentos. A delegada federal Christina Correa Machado submeterá Bolsonaro a um interrogatório de suspeito clássico. Falta saber se o presidente será constrangido pessoalmente ou por escrito.

Guardadas as proporções, isso já tinha acontecido com Michel Temer, que também foi interrogado pela PF no exercício da Presidência. Esperava-se que Bolsonaro fugisse desse figurino. Mas o Brasil parece condenado a ser o mais antigo país do futuro do mundo.

Josias de Souza