PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro ensina o certo caprichando no errado

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

08/07/2020 03h33

Bolsonaro não pode ser entendido à luz dos modelos clássicos. É inútil analisar o comportamento do presidente na pandemia com a lógica do bom senso. Bolsonaro ensina o valor das regras sanitárias violando-as.

O presidente é o Poder se autoimolando para revelar ao povo o que não deve ser feito. O desejo de virar antiexemplo fez brotar em Bolsonaro um amor platônico. Ele correu atrás do vírus, ofereceu-se ao vírus, aspirou o vírus até ser correspondido.

É enorme a indignação dos infectologistas em relação ao desprezo que Bolsonaro tem pelas recomendações médicas. Os especialistas não percebem que só um suicida didático cometeria erros tão toscos.

A ciência recomenda basicamente três coisas: isolamento, mãos limpas e máscara. Bolsonaro aglomera-se. Ele limpa com o dorso da mão a boca suja com molho de cachorro quente. Veta o uso de máscaras no comércio, nas igrejas, nas prisões...

Bolsonaro orienta a sociedade por meio da desorientação. Quando não estava infectado, escondeu o exame para estimular a suspeita de que estava doente. Contaminado, proclama: "Eu avisei que o vírus é como chuva. Vai molhar você!"

É como se Bolsonaro quisesse provar o que é certo caprichando nos erros. Com sua antiapoteose, ambiciona virar um fator de progresso. Consolidou-se, finalmente, como exemplo sanitário. Ensinou que, para driclar o vírus, basta fazer o contrário.

É como se Bolsonaro gritasse, a plenos pulmões: "Deixem-me só. Cuidem de suas vidas!"

Josias de Souza