PUBLICIDADE
Topo

Os EUA acima de tudo, o Trump acima de todos

                                JIM WATSON/AFP
Imagem: JIM WATSON/AFP
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

13/09/2020 05h47

Sob Jair Bolsonaro, o Planalto vangloria-se de manter relações preferenciais com a Casa Branca. Esse relacionamento vem propiciando dois tipos de negociação diplomática: as ruins e as muito piores. Na mais recente, o Itamaraty entrou na discussão de cócoras. E saiu de joelhos.

Negociava-se a renovação de uma cota de importação de etanol dos Estados Unidos sem imposto. Em troca, o Brasil queria isenção para exportar açúcar para os americanos. A diplomacia de Bolsonaro, como de hábito, rendeu-se sem conquistar nenhuma contrapartida.

O etanol exportado para o Brasil paga tarifa de 20%. Mas havia uma cota anual que entrava sem taxação. Coisa de 750 milhões de litros. Essa cota expirou em 31 de agosto. A Casa Branca pediu a renovação —uma boa hora para exigir isenção também para o açúcar brasileiro, taxado em 140% nos Estados Unidos.

Na sexta-feira, Bolsonaro entregou —gostosamente— os pontos. Pelos próximos três meses, os produtores americanos poderão vender até 187,5 milhões de litros de etanol sem pagar imposto no Brasil. E quanto à isenção para o açúcar brasileiro? Ficou na promessa, para desassossego das usinas de cana do Brasil.

O mimo de Bolsonaro foi à vitrine duas semanas depois de os Estados Unidos reduzirem a quantidade de aço comprado do Brasil com tarifas reduzida.

A contaminação da política externa por uma visão ideológica e personalista fez sumir algo que era respeitado no mundo inteiro: o profissionalismo da diplomacia brasileira. Nesse setor, o lema da administração Bolsonaro é muito parecido com o slogan que o capitão entoava na campanha: "Estados Unidos acima de tudo, Donald Trump acima de todos."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL