PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Com água pelo nariz, Crivella abraça Bolsonaro

Divulgação/Assessoria
Imagem: Divulgação/Assessoria
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

19/11/2020 03h19

Das várias maneiras para se atingir o desastre no Brasil de hoje, o negacionismo sanitário é a mais tosca; o relacionamento com o centrão é a mais cara; e o apoio à recandidatura de Marcelo Crivella, a mais rápida —apenas dez dias.

Ao receber Crivella nesta quinta-feira, Jair Bolsonaro confirma sua paixão pelo risco. Abraçando-se novamente ao prefeito do Rio de Janeiro, o presidente marca para 29 de novembro, dia do segundo turno da eleição municipal, mais um encontro com o fiasco.

Candidato à reeleição, Crivella (Republicanos) ganhou na primeira pesquisa do segundo turno uma renovada aparência de afogado. Segundo o Ibope, o prefeito está 30 pontos percentuais atrás do rival Eduardo Paes (DEM). A diferença sobe para 38 pontos se forem contabilizados apenas os votos válidos.

Tratado como derrotado no primeiro turno, o presidente ouviu de auxiliares a sugestão de se distanciar do ringue municipal no segundo round. Até o primogênito Flávio Bolsonaro aconselhou-o a se resguardar, especialmente no Rio de Janeiro, berço eleitoral da primeira-família.

Mais do que reexibir Bolsonaro na propaganda eleitoral da tevê, Crivella deseja agora passear pelas ruas do Rio de Janeiro com o patrono a tiracolo. Se topar, o presidente talvez não consiga realizar o sonho do prefeito. Mas se aproximará bastante da realização do seu próprio pesadelo.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado no segundo parágrafo, o segundo turno das eleições municipais será no dia 29 de novembro, e não 29 de dezembro. O texto foi corrigido.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL