PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Ética tornou-se valor invisível na disputa de SP

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

19/11/2020 05h29

Na campanha presidencial de 2018, com a Lava Jato a pino, a corrupção estava no topo das preocupações do eleitorado. Na campanha municipal de 2020, o debate sobre ética sumiu. Em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) mal roçam o tema.

Boulos subiu no caixote para ironizar o apoio do bolsonarista Celso Russomanno a Bruno Covas. Tratou o gesto como evidência de que o rival tucano joga no time de Jair Bolsonaro, líder de uma organização familiar cuja imagem está bem rachadinha.

"É o BolsoDoria versão 2020", discursou o postulante do PSOL, do alto de um caminhão de som. "O Bruno Covas é o João Doria, e o Russomanno é o Bolsonaro, deixou isso muito claro no primeiro turno."

O esforço de Boulos para construir uma ponte ligando Covas a Bolsonaro contrasta com o silêncio do candidato do PSOL sobre o lodo que escorre da biografia de oligarcas do PSDB, o partido do seu rival. Nenhuma palavra, por exemplo, sobre os réus tucanos José Serra e Geraldo Alckmin, enroscados em casos de corrupção.

Alheio ao pântano em que se encontra mergulhado o seu PSDB, Bruno Covas aproveita a proximidade de Boulos com Lula e o PT para associar o adversário ao antipetismo, uma força eleitoral ainda muito forte em São Paulo.

Covas concentra suas críticas na ideologia. Afirma que PSOL e PT têm "a mesma raiz, a mesma linha, a mesma matriz ideológica." Nenhum pio sobre a passagem de Lula pela cadeia. Nada sobre mensalão ou petrolão.

A ausência de um debate franco sobre corrupção impõe à campanha de São Paulo um déficit estético. Há sobre o palco um balé de elefantes enlameados. Mas todos fingem que as trombas não estão em cena. A ética tornou-se um valor invisível na campanha de São Paulo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL