PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Há 345 mil motivos para realizar a CPI da Covid

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

08/04/2021 20h59

O cenário fúnebre ornamentado pelas mais de 345 mil mortes por covid justifica a abertura de uma CPI sobre as ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia. A operação montada pelo Planalto para evitar a CPI reforça a sua necessidade. É constrangedor que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, tenha de instalar por ordem do Supremo uma investigação parlamentar que não deflagrou por excesso de subserviência ao Planalto.

O pedido de CPI foi subscrito por 31 senadores, mais do que os 27 exigidos pelo regimento. Operadores do Planalto tentavam desde fevereiro convencer cinco senadores a retirarem suas assinaturas do requerimento. O fracasso das investidas evidencia a fragilidade da base de apoio legislativo do governo no Senado. Pacheco acionou a gaveta. Mas sabia, porque é advogado, que cometia uma inconstitucionalidade.

Cumpridas as exigências da Constituição —número mínimo de apoiadores, definição do fato a ser investigado e prazo de funcionamento da comissão— a CPI é um direito da minoria parlamentar. No despacho em que ordenou a instalação da comissão, o ministro Luís Roberto Barroso esclareceu que não cabe ao presidente da Casa legislativa desenvolver o que Pacheco chamou de juízo de conveniência sobre o momento mais adequado para iniciar uma Comissão Parlamentar de Inquérito.

"Trata-se de garantia que decorre da cláusula do Estado Democrático de Direito e que viabiliza às minorias parlamentares o exercício da oposição democrática", escreveu Barroso. "Tanto é assim que o quórum é de um terço dos membros da Casa legislativa, e não de maioria. Por esse motivo, a sua efetividade não pode estar condicionada à vontade parlamentar predominante."

Começa agora um espetáculo que costuma preceder todas as CPIs. O Planalto tentará recrutar uma milícia parlamentar para compor maioria na CPI. Nesse estágio, a banda bandalha do Legislativo não perde por esperar. Ganha. Com 27 anos de experiência parlamentar, o ex-deputado Bolsonaro sabe que precisará de remédios mais eficazes do que a cloroquina: cargos e verbas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL