PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Pedido de pressa de Bolsonaro à Pfizer sinaliza perda do senso do ridículo

 Foto: Américo Antonio/SESA.
Imagem: Foto: Américo Antonio/SESA.
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

15/06/2021 13h34

A divulgação oficial não permite duvidar que Bolsonaro tenha conversado com executivos da Pfizer. O admirável é que o capitão cloroquina e a turma da vacina do jacaré tenham tido assunto. Soube-se que o presidente pediu a antecipação da entrega de vacinas cuja compra negligenciou por sete meses. Verifica-se que o coronavírus não é o único agente infeccioso que atormenta o Brasil. O inquilino do Planalto foi infectado por um vírus que elimina do organismo humano as enzimas que produzem o senso de ridículo.

A Pfizer tentou vender vacinas ao governo brasileiro desde meados do ano passado. Em agosto, formalizou oferta de 70 milhões de doses, com entregas a partir de dezembro. A nata da República deu de ombros. Bolsonaro, um presidente sem comprovação científica, apostava que a "gripezinha" seria contida por meio de "tratamento precoce" estrelado pela hidroxicloroquina.

Em dezembro do ano passado, quando a vacina da Pfizer começou a ser aplicada no exterior, Bolsonaro chamava a segunda onda da Covid de "conversinha", sustentava que a pandemia estava no "finalzinho" e criticava as cláusulas leoninas do contrato oferecido pela Pfizer valendo-se de um enredo fabuloso sobre os hipotéticos efeitos zoogenéticos da vacina que transformava humanos em jacarés.

Bolsonaro não evoluiu. Ainda na semana passada, atormentou os brasileiros com a tese de que a maioria dos mortos por covid morreu de outras causas. Disse que as vacinas são "experimentais" e que só a poção mágica com a cloroquina salva.

De repente, num instante em que a CPI cerca o Planalto e o adversário João Doria promete antecipar o calendário de vacinação, o presidente revela uma súbita pressa para receber mais doses da Pfizer. São mesmo devastadores os efeitos do vírus que suprime do organismo de Bolsonaro as enzimas do senso do ridículo.