PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Para novo Bolsa Família não há verba, mas Bolsa Eleição triplica: R$ 5,7 bi

iStock
Imagem: iStock
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

15/07/2021 20h19

No fundo, no fundo a única coisa que realmente interessa à maioria dos congressistas num ano pré-eleitoral é o fundo de financiamento da próxima eleição. Ainda não se sabe de onde virá a verba para financiar o novo Bolsa Família que o governo promete criar até o final do ano. Entretanto, com a pandemia ainda a pino, o Tesouro em ruínas e quase 15 milhões de brasileiros no olho da rua, deputados e senadores decidiram triplicar o Bolsa Eleição. Saltou de R$ 1,8 bilhão para R$ 5,7 bilhões.

A cifra foi empurrada para dentro da LDO, Lei de Diretrizes Orçamentária para 2022. Numa situação normal, seria apenas um absurdo. Transforma-se num escárnio dentro de uma programação orçamentária que estima em R$ 170,7 bilhões o déficit fiscal do próximo ano. Consumado o despautério, os parlamentares vão às férias do meio do ano, que ninguém é de ferro.

O fundo eleitoral foi anabolizado com requintes de covardia. O Partido Novo propôs a votação de um destaque que suprimia da LDO o pedaço que trata do Bolsa Eleição. Iniciou-se, então, uma coreografia da empulhação. Os líderes partidários concordaram em apreciar o destaque. Mas a votação foi simbólica. Nessa modalidade de votação, os parlamentares não levam a cara ao painel eletrônico de votação. O eleitor fica sem saber quem é quem.

Para adicionar fiapo de luz no breu, vai aqui a orientação geral de cada partido. Posicionaram-se a favor do Bolsa Eleição engordado: PSL, PL, PP, PSD, MDB, PSDB, DEM, Solidariedade, PROS, PSC, PTB e Cidadania. Manifestaram-se contra o fundão hipertrofiado: PT, PDT, PSB, Podemos, PSOL, Novo, Rede e PV.