PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Depois de matar e esfolar, PSDB inicia esquartejamento da candidatura Doria

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

18/05/2022 09h53

A cúpula do PSDB impôs ao seu presidenciável a política do "mata e esfola". Matou a candidatura de João Doria quando levou às reuniões da terceira via o nome de Eduardo Leite, derrotado por ele nas prévias partidárias. Esfolou seu candidato de 3% no instante em que o rifou numa articulação com o MDB destinada a transformar em cabeça de chapa Simone Tebet, a preferida de 1% do eleitorado. O tucanato se dedica agora a um inédito processo de esquartejamento político.

O suplício é executado com requintes de crueldade. Reunida em Brasília para decidir como Doria seria retalhado, a Executiva Nacional do PSDB optou por convidar o candidato a comparecer voluntariamente a um encontro no qual o seu cadáver político será esquartejado. Num adicional de impiedade, a autoria da sugestão coube a Aécio Neves, uma nódoa que Doria tentou sem sucesso expulsar do PSDB.

Aécio sugeriu que fossem convidados para a sessão de esquartejamento de Doria os candidatos do PSDB aos governos estaduais. Foi um cutucão em Rodrigo Garcia, o neotucano que assiste em silêncio à execução do padrinho que se tornou estorvo na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes. É improvável que Doria compareça ao encontro do PSDB nesta quarta, como pretendiam a Executiva e Bruno Araújo, o presidente do partido.

A pesquisa encomendada pelo consórcio PSDB-MDB-Cidadania para realçar que a rejeição de Simone Tebet é menor do que a de Doria deve ser divulgada. Mas o anúncio da suposta candidatura única da terceira via será empurrado com a barriga. Doria ainda pode recorrer à Justiça Eleitoral para escorar sua candidatura numa liminar. Nessa hipótese, o PSDB submeterá o candidato-zumbi a uma asfixia monetária, fechando os cofres do fundo eleitoral. O tucanato ainda não notou. Mas espetáculo do esquartejamento tem uma aparência de suicídio.