Josias de Souza

Josias de Souza

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Maduro fornece para Lula chance real de ser mediador de conflito

Favorecido pelo opção de Bolsonaro de ostentar a posição de pária internacional orgulhoso, Lula anunciou ao mundo, no alvorecer do novo governo, que "o Brasil voltou". Não fez segredo do desejo de converter a política externa num dos destaques de sua administração. Tentou sem sucesso atuar como um interlocutor neutro, capaz de anestesiar duas guerras que a conjuntura encostou em seu mandato. Deu em nada.

De repente, o companheiro Nicolas Maduro fabricou uma ameaça bélica que oferece ao presidente brasileiro uma oportunidade real de exibir-se ao mundo como mediador de conflitos. Nesta quinta-feira, discursando como anfitrião de uma esvaziada cúpula dos chefes de Estado do Mercosul, Lula colocou o Brasil "à disposição para sediar reuniões" entre Venezuela e Guiana.

Lula já havia se descredenciado para interferir na guerra provocada pela Rússia na Ucrânia ao igualar a nação invadida ao país invasor. No enfrentamento entre Israel e Hamas, iniciado num instante em que o Brasil ocupava a presidência rotativa do Conselho de Segurança da ONU, o Itamaraty portou-se adequadamente. Mas teve sua resolução humanitária barrada por um veto dos Estados Unidos.

A coisa mudou de figura com a ameaça de Nicolás Maduro de incorporar ao mapa da Venezuela a região petrolífera de Essequibo, que corresponde a 70% do território da Guiana. Agora, não é Lula que se oferece como intermediário. O mundo e, sobretudo, os vizinhos é que esperam dele o exercício da liderança natural de um presidente do Brasil, visto como potência regional.

A afinidade ideológica com Caracas eleva a responsabilidade de Lula. Em maio, estendeu o tapete vermelho do Planalto para o presidente venezuelano. Criticado, respondeu que a ditadura na Venezuela não passa de "narrativa" de adversários. Declarou que "o conceito de democracia é relativo".

Hoje, Lula já não pode lançar mão da retórica de que há dois culpados pelo conflito. O nome da encrenca é Nicolás Maduro. A menos que consiga aplicar um sedativo no companheiro, Lula se arrisca a ouvir uma pergunta incômoda sempre que repetir o slogan segundo o qual "o Brasil voltou". Voltou para quê?, eis a indagação inevitável.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes