Josias de Souza

Josias de Souza

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Bolsonaro vira alvo potencial de novas delações ao fritar Heleno

Ao atribuiu exclusivamente ao general Augusto Heleno a iniciativa de colocar espiões da Abin na campanha eleitoral, Bolsonaro jogou o velho amigo numa frigideira criminal. "É o trabalho da inteligência dele, que eu não tinha participação nenhuma", declarou Bolsonaro, reincidindo no seu já conhecido desapreço pela máxima militar segundo a qual o comandante jamais abandona um subordinado.

Bolsonaro demora a notar. Mas foi justamente essa mania de esquivar-se de responsabilidades que produziu a delação de Mauro Cid. O convívio com o então presidente converteu o ajudante de ordens em testemunha de transgressões e traições. Cid viu como Bolsonaro carbonizou, em 2021, o então ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, e três comandantes militares. Assistiu à fritura de dois ministros palacianos, Gustavo Bebianno e o general Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Quando explodiram o caso das joias sauditas e o escândalo da fraude dos cartões de vacinação, Mauro Cid percebeu que as manifestações de Bolsonaro, por vezes desconexas e contraditórias, desaguavam sempre no seu colo. Não importava a inconsistência do argumento, desde a que conduzisse para a hipotética autonomia funcional do então ajudante de ordens. Jé bem passado, Cid farejou o cheiro de queimado. Ao sentir o hálito da Polícia Federal na sua nuca, o tenente-coronel abriu o bico. Deu no que está dando.

Augusto Heleno chefiava o Gabinete de Segurança Institucional e tinha a Abin sob o seu guarda-chuva. Mas durante a Presidência de Bolsonaro, a mobilização de um aparato clandestino para espionar campanhas era areia demais até para a carreta do general. A lealdade subserviente inibe uma confissão premiada de Heleno. Mas outros encrencados podem enxergar na combustão do general um estímulo para seguir as pegadas de Mauro Cid.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes