PUBLICIDADE
Topo

Josmar Jozino

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Sócio de empresa usada para fretar jato com 578 kg de cocaína mora na Cohab

Jato Dassault Falcon 900 é flagrado por policiais federais com 578 kg de cocaína no aeroporto internacional de Salvador - Polícia Federal/Divulgação
Jato Dassault Falcon 900 é flagrado por policiais federais com 578 kg de cocaína no aeroporto internacional de Salvador Imagem: Polícia Federal/Divulgação
Josmar Jozino

Sobre o Autor - Josmar Jozino é jornalista desde 1985. Autor de quatro livros, sendo três sobre crime organizado entre eles, "Cobras e Lagartos", obra referência sobre a facção criminosa PCC que recebeu menção honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog em 2005

Colunista do UOL

03/03/2021 04h00

Wagner Oliveira Ferreira, 32, um dos sócios da empresa acusada de pagar 130 mil euros (R$ 893 mil) pelo fretamento de um avião flagrado com 578 kg de cocaína no aeroporto internacional de Salvador, disse ao UOL que a companhia dele é pobre, está inativa e nunca teve esse dinheiro.

O rapaz, sócio da Lopes & Ferreira Assessoria Ltda, mora em uma casa humilde, de propriedade da sogra, na Cohab (Conjunto Habitacional) de Vila Nova Cachoeirinha, zona norte de São Paulo. Ele é casado e tem dois filhos.

"Soube pela imprensa que a Lopes & Ferreira é apontada como responsável pelo fretamento do avião de Portugal. Acredito que usaram o nome da empresa com má-fé. Nunca tivemos esse dinheiro. Até nosso escritório foi fechado há dois ou três anos", contou à reportagem.

A Lopes & Ferreira, criada para prestar assessoria jurídica, foi registrada com capital social de R$ 20 mil. No documento da Taxi Aéreo Omini Aviação, sediada em Cascais, a 40 km de Lisboa, consta que a empresa de São Paulo, por meio de um representante que se identificou como Marcelo Lemos, pagou o fretamento da aeronave.

Wagner afirmou ao UOL que não conhece e nunca ouvir falar de Marcelo Lemos. "Realmente não o conheço. E posso garantir que a nossa empresa jamais teve condições financeiras para fretar qualquer avião", ressaltou.

A sede da Lopes & Ferreira era na Vila Santa Maria, zona norte. Segundo Wagner, desde que o escritório fechou, ele trabalha em casa, prestando serviços de assessoria jurídica sobre processos que tramitam na área cível.

O rapaz revelou estar assustado por causa do envolvimento do nome da empresa com um avião apreendido com mais de meia tonelada de cocaína: "Realmente é assustador e muito preocupante. Não faço a mínima ideia de quem possa ter feito isso", acrescentou.

O outro sócio da empresa, o advogado Marcos Paulo Lopes Barbosa, foi procurado pela reportagem do UOL, por meio de telefone celular e mensagens no Wathsapp. Porém, ele não deu retorno. Procurada, a Polícia Federal disse que o caso está sob sigilo.

Agente - Polícia Federal/Divulgação - Polícia Federal/Divulgação
Agente da Polícia Civil da Bahia guarda droga apreendida em jato de companhia portuguesa em Salvador
Imagem: Polícia Federal/Divulgação

Hangar em Jundiaí

O avião modelo Dassault Falcon 900 da empresa Táxi Aéreo Omni Aviação decolou do aeródromo de Tires, em Cascais, no dia 27 de janeiro e chegou no aeroporto internacional de Salvador no dia seguinte.

Estavam a bordo o português João Loureiro, ex-presidente do Boavista, clube da primeira divisão do futebol de Portugal e campeão nacional na temporada 2000/2001, o espanhol Mansur Mohamed Heredia e também três tripulantes.

Após os trâmites alfandegários, o avião seguiu para o aeroporto de Jundiaí levando João Loureiro e Mansur Heredia. O lobista brasileiro Rowles Magalhães teria mantido encontro com o dirigente português em São Paulo.

Segundo a Polícia Judiciária de Portugal, Magalhães comprou uma empresa de João Loureiro por mil euros e tinha planos para adquirir a companhia portuguesa dona do Falcon 900. O lobista negou qualquer envolvimento com a cocaína achada na aeronave.

O UOL apurou que o jato ficou no hangar da Fly Away no aeroporto de Jundiaí até o dia 7 de fevereiro. A reportagem telefonou para o hangar, mas funcionários não quiseram se manifestar.

Autoridades portuguesas apuraram que no dia 29 de janeiro, um casal ainda não identificado foi ao hangar e pediu a chave do avião para o piloto. Ele se recusou em entregar e depois consultou a empresa em Portugal. A autorização foi concedida.

Os 11 milhões de euros deixados pelo "Escobar brasileiro", segundo a polícia portuguesa - Polícia Judiciária de Portugal/Divulgação - Polícia Judiciária de Portugal/Divulgação
Dinheiro abandonado por ex-PM brasileiro, segundo as investigações
Imagem: Polícia Judiciária de Portugal/Divulgação

Em 7 de fevereiro, o avião retornou para Salvador. Durante o voo, o piloto detectou problemas no trem de pouso e avisou a torre de controle. No dia 9, após inspeções na aeronave, mecânicos, policiais federais e civis encontraram a droga escondida na fuselagem e em outras partes do jato.

Ouvido pela Polícia Federal, João Loureiro negou envolvimento com a droga apreendida. O telefone celular dele foi entregue à PF para análise e depois devolvido.

Até o início da tarde desta terça-feira (2), João Loureiro não havia retornado para Portugal. Os rumores são de que ele está com muito medo. O espanhol Mansur Heredia deixou o Brasil e teve o carro apreendido para perícia no aeródromo de Tires, em Cascais.

João Loureiro está na mira da Polícia Federal do Brasil e da Polícia Judiciária de Portugal. Autoridades lusitanas acreditam que toda a ação foi planejada em solo português e investigam também se a droga foi encomendada por Sérgio Roberto de Carvalho, 62, o Major Carvalho, chamado por europeus de "Escobar brasileiro".

Considerado um dos maiores narcotraficantes da Europa, "Escobar brasileiro", ex-policial militar de Mato Grosso do Sul, é procurado pela polícia no Velho Continente. A Polícia Judiciária diz que ele comprou uma empresa aérea e fugiu para Kiev, na Ucrânia, no próprio avião.

Na fuga, Major Carvalho deixou para trás 11 milhões de euros (R$ 75,5 milhões) escondidos em uma van no estacionamento de um prédio alugado por ele no centro de Lisboa. A PF apurou que ele enviou 45 toneladas de cocaína para a Europa via portos brasileiros. As remessas foram avaliadas em R$ 2,25 bilhões.