PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Josmar Jozino

Policial federal narra em livro detalhes de um plano para resgatar Marcola

Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado como líder do PCC, em fotografia de 2001 - Sergio Lima/Folhapress
Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado como líder do PCC, em fotografia de 2001 Imagem: Sergio Lima/Folhapress
Josmar Jozino

Sobre o Autor - Josmar Jozino é jornalista desde 1985. Autor de quatro livros, sendo três sobre crime organizado entre eles, "Cobras e Lagartos", obra referência sobre a facção criminosa PCC que recebeu menção honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog em 2005

Colunista do UOL

11/04/2022 11h01Atualizada em 11/04/2022 19h12

Desde que engoliu um chip e uma bateria de telefone celular e teve o esôfago e o intestino perfurados por uma ponta de metal, no início de 2019, o preso Marco Willians Herbas Camacho, 54, o Marcola, líder máximo do PCC (Primeiro Comando da Capital), enfrenta graves problemas de saúde.

Transferido para presídio federal, Marcola emagreceu 15 kg. O quadro de saúde dele é preocupante, pois o elemento tóxico produzido pelo material engolido vem causando náuseas, dores estomacais, convulsões, irritações de pele e problemas cardíacos.

Marcola cometeu essa ação extrema, pouco antes de ser removido da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau (SP) para a Penitenciária Federal de Porto Velho, com o intuito de não perder informações preciosas sobre seus negócios. O chip desceu facilmente pela garganta dele, mas deixou sequelas.

Além dessas doenças, o prisioneiro, condenado a mais de três séculos de prisão, também enfrenta distúrbios psicológicos e sinaliza esgotamento físico. A saúde mental do chefão do PCC também se agravou porque ele esperava ser resgatado, mas o plano foi frustrado pelas forças de segurança.

Os detalhes sobre o plano de resgate e as complicações clínicas de Marcola descritos acima são narrados no livro de ficção Guerra Transnacional - Operações policiais entre o real e o imaginário. A obra foi escrita por um agente da Polícia Federal, em parceria com um comunicador, e publicada em 2020.

O livro é apresentado como ficção, mas os fatos narrados em relação ao PCC são verdadeiros. Os capítulos sobre os assassinatos de Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue; e Fabiano Alves de Souza, o Paca; e os roubos cinematográficos protagonizados por quadrilhas que explodem agências bancárias e dominam cidades são histórias reais.

Assim como o nome do policial federal, autor do livro, os apelidos dos personagens também são fictícios. Marcola é Nareba. E isso porque ele também é conhecido como Narigudo. Gegê do Mangue é chamado de 88 e Paca, de Anta.

Esses dois últimos eram da alta cúpula da facção e foram mortos em fevereiro de 2018 no Ceará, sob a acusação de terem desviado ao menos R$ 100 milhões do PCC. Os assassinatos foram planejados por Gilberto Alves dos Santos, o Fuminho, e coordenados por Wagner Ferreira da Silva, o Cabelo Duro.

Fuminho, apontado como braço direito de Marcola [Nareba], é chamado no livro de Charuto. A alcunha de Cabelo Duro foi trocada por Pixaim. Felipe Ramos de Morais recebeu o apelido de Piloto. Foi ele quem transportou em um helicóptero Anta e 88 para a morte no Ceará.

O plano de resgate

Em março de 2016, Piloto levou Pixaim para uma importante reunião em uma boate de luxo, um ambiente discreto, entre as cidades de Campinas e Monte Mor. Participaram do encontro um assaltante conhecido como Pedro Bó, e outro chamado Agnaldo Francisco da Silva Pereira, o Magna.

No livro, Pedro Bó é tratado como Mosca Branca. Os autores da obra o apontam como um dos maiores narcotraficantes do Brasil, responsável pelo envio de toneladas de drogas para a Europa, e também o protagonista dos maiores assaltos a bancos registrados no país.

Mosca Branca é mencionado no livro como um dos idealizadores do roubo de R$ 164 milhões do Banco Central de Fortaleza, no Ceará, em agosto de 2005, e não chegou a ser indiciado por envolvimento no crime por falta de provas.

Magna, batizado de Maquinado no livro, também faz parte das gangues que dominam cidades e participou dos grandes assaltos milionários no Brasil e no Paraguai, incluindo o roubo de R$ 40 milhões da Prosegur em Cidade Del Leste, em abril de 2017. Piloto o ajudou a fugir com parte do dinheiro.

Maquinado e sua quadrilha receberam treinamento de Espanhol, um ex-guerrilheiro do ETA, grupo terrorista basco, considerado um perito em artes marciais, armas e explosivos. Foi ele quem deu suporte de consultoria para as quadrilhas do novo cangaço.

A conversa entre Pixaim, Mosca Branca e Maquinado na boate de luxo era sobre o resgate de Nareba. Piloto ficou esperando do lado de fora. Foi combinado o recrutamento de mercenários da Nigéria, Somália, Ucrânia, Sérvia e Kosovo para participarem da empreitada criminosa.

Os recrutados eram treinados por Espanhol, que também planejou a emboscada contra Jorge Rafaat Toumani, fornecedor de drogas do PCC, morto pela própria facção com tiros de metralhadora calibre 50 em junho de 2016 na fronteira entre Ponta Porã (MS) e Pedro Juan Caballero, no Paraguai.

Charuto, dono da favela Heliópolis, era o financiador do projeto de resgate de Nareba e apostava todas as suas fichas em Mosca Branca, o dono da favela Paraisópolis. De Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, Charuto passava todas as instruções para Maquinado.

O bando iria impor ações violentas, usando fuzis, metralhadoras calibre 50, sitiando quarteis e postos policiais, bloqueando estradas e fazendo reféns. Assim seria a ação na cidade de Presidente Venceslau para libertar Nareba e seus comparsas.

O grupo deveria usar em Venceslau as mesmas técnicas no domínio de cidades. O bando seria orientado com imagens do presídio captadas por drones. Equipes de contenção bem armadas inviabilizariam um contra-ataque de agentes penitenciários e a aproximação de aeronaves policiais.

Os responsáveis pela invasão ao presídio explodiriam as muralhas e entrariam na P-2 de Venceslau em um caminhão blindado com chapas de aço e equipado com ganchos para abrir as celas dos líderes do PCC. Os libertados seriam divididos em três helicópteros com planos de voo distintos.

Alvo prioritário do resgate, Nareba seguiria de carro com Maquinado por estradas vicinais até uma chácara na divisa de São Paulo com o Mato Grosso do Sul, beirando a bacia hidrográfica do rio Paraná.

O destino seria uma pista clandestina, onde embarcariam em um avião agrícola usado para expelir agrotóxico. A aeronave cruzaria a fronteira com a Bolívia e aterrissaria em Porto Quijaro. Já em segurança, uma comitiva do amigo Charuto conduziria Nareba e Maquinado até Santa Cruz de La Sierra.

Ganância atrapalhou planos

O livro diz que a ganância de Maquinado atrapalhou os planos de Charuto, Pixaim e Mosca Branca. O ladrão quis cometer mais um assalto cinematográfico. Ele já havia participado do roubo de R$ 40 milhões no Paraguai; R$ 48 milhões em Campinas; R$ 51 milhões em Ribeirão Preto, R$ 22,5 milhões em Barreiras (BA), entre outros.

Mas "a casa caiu" para Maquinado. Ele foi preso em 7 de novembro de 2017 na cidade de Caldas Novas, em Goiás. Um dia antes tinha comandado o roubo a uma transportadora de valores em Uberaba, Minas Gerais. Por causa da prisão, a ação em Presidente Venceslau foi abortada.

Para agravar a situação, Pixaim acabou assassinado em fevereiro de 2018 no bairro do Tatuapé, zona leste de São Paulo. A morte dele foi em represália aos homicídios de Anta e 88.

No final de 2018, o plano de resgate dos líderes do PCC foi descoberto. Nareba e outros 21 integrantes da cúpula da facção criminosa, todos recolhidos na P-2 de Venceslau, foram transferidos para presídios federais em fevereiro de 2019. Era o "bonde dos 22".

Mas Charuto e Mosca Branca não desistiriam da intenção de libertar Nareba, preso na Penienciária Federal de Brasília. Eles trataram de arrumar um plano B e pensaram em um nome para substituir o assaltante Maquinado, chefão do Novo Cangaço. O escolhido foi José do Carmo Silvestre, o Pintado.

No livro, Pintado recebeu a alcunha de Colorido. Ele não teve sequer tempo de receber as instruções de Charuto. Acabou preso em janeiro de 2020 na praia da Armação, em Salvador. O criminoso estava foragido da Justiça havia 12 anos.
Em abril de 2020, Nareba recebeu outro duro golpe. Charuto, seu comparsa de confiança, foi preso em um hotel de luxo na cidade de Maputo, em Moçambique, na África. Ele foi expulso daquele país e está preso na Penitenciária Federal de Catanduvas (PR).

A facção também planejava resgatar Maquinado. Ele ficou recolhido em alguns presídios de Minas Gerais e depois foi transferido para a Penitenciária Federal de Campo Grande (MS). Lá encontrou Piloto, o homem que delatou à Polícia Federal Pixaim, Charuto e outras ações do PCC.

Mosca Branca continua solto e, segundo os autores do livro, não há nenhum mandado de prisão expedido contra ele. Nareba foi removido da Penitenciária Federal de Brasília para a Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia.

Ouvida pela reportagem a defesa de Marcola [Nareba] diz que o preso nunca engoliu chip nem bateria de celular e também que ele não foi alvo de resgate. Segundo os defensores, o plano para libertar o prisioneiro jamais existiu, nunca foi comprovado nem registrado por escrito e, portanto, não passa de mera ficção.