PUBLICIDADE
Topo

Kennedy Alencar

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

FHC quer fazer acordo no PSDB para lançar Tasso à Presidência em 2022

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) durante o UOL Entrevista - UOL
O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) durante o UOL Entrevista Imagem: UOL
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na ?Folha de S.Paulo?, onde foi redator, repórter, editor da coluna ?Painel? e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro ?Kosovo, a Guerra dos Covardes? (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas ?É Notícia? e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário ?What Happened to Brazil?, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada ?Brasil em Transe?, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

07/06/2021 11h55

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tenta articular um acordo no PSDB para lançar o senador Tasso Jereissati (CE) à Presidência da República em outubro do ano que vem.

No entanto, há um senão político: a divisão partidária dificulta um entendimento entre os quatro pré-candidatos e estimula a realização de prévias. Também existe um obstáculo pessoal, a oposição da família de Tasso a uma campanha que seria desgastante para a saúde do senador. Apesar disso, FHC acredita que Tasso seria a melhor opção para o partido em 2022 pelas seguintes razões.

Durante anos, o ex-presidente enfraqueceu o PSDB ao investir no projeto presidencial do apresentador de TV Luciano Huck, ideia que se revelou o que sempre foi: uma aventura. Huck parece mais interessado em tomar o lugar de Fausto Silva aos domingos na TV Globo do que em se arriscar numa eleição. Daí se mede a sua consistência política.

Huck se assustou com a volta de Lula ao jogo eleitoral devido à decisão do ministro do STF Edson Fachin que restabeleceu os direitos eleitorais do petista. A reviravolta enfraqueceu a aposta na antipolítica feita por FHC ao incensar Huck.

FHC acredita que Tasso possa ser um candidato que reposicione o PSDB mais ao centro na política brasileira, afastando o partido do caminho de direita que trilhou nos últimos anos.

Para o ex-presidente, o governador de São Paulo, João Doria, terá dificuldade para viabilizar a sua candidatura ao Palácio do Planalto. Doria sofre os desgastes do embate com Bolsonaro por causa das medidas restritivas, como quarentena e fechamento parcial do comércio.

Apesar de ter sido responsável por trazer a CoronaVac ao Brasil, imunizante que pressionou Bolsonaro a sair do discurso antivacina, o tucano enfrenta dificuldades até para eventual reeleição.

Na visão de FHC, seria mais importante Doria concorrer novamente ao Palácio dos Bandeirantes para tentar segurar a base política mais importante do tucanato. Os tucanos governam o estado de São Paulo há 26 anos.

Outro presidenciável tucano, o governador Eduardo Leite (RS), também deveria se concentrar na tentativa de reeleição. Seria mais importante para os planos de médio e longo prazo do PSDB manter dois governos importantes, acredita FHC

O ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio é mais um que se coloca como opção do PSDB para concorrer à Presidência, mas FHC avalia que Tasso teria um perfil mais nacional e menos beligerante. Seria ideal para uma campanha polarizada entre Bolsonaro e Lula.

Em decisão recente, a Executiva Nacional do PSDB montou um modelo de prévias que dá mais poderes aos caciques partidários do que à base do partido, contrariando desejo de Doria. Esse modelo reforça a intenção de buscar uma candidatura por acordo. Tasso seria o nome com mais capacidade de unir Doria, Leite e Virgílio.

As prévias do PSDB estão previstas para novembro, mas há debate sobre um eventual adiamento.

Segundo turno

O recente encontro entre FHC e Lula revela que o tucano está mais propenso a voltar a valorizar a classe política, num movimento diferente dos últimos anos nos quais flertou com a Lava Jato e Huck.

Com uma participação importante na CPI da Pandemia, o senador Tasso Jereissati obteve uma vitrine importante. Moderado, Tasso poderia ser um candidato de união do partido e defensor de um programa de centro, pensa FHC. Tasso se opôs aos governos Temer e Bolsonaro, o que lhe dá credenciais oposicionistas melhores do que Doria e Leite, que ficaram com Bolsonaro no segundo turno de 2018 e se afastaram do presidente somente na pandemia.

Em 1993, um ano antes de FHC viabilizar sua candidatura à Presidência, houve conversas para lançar uma chapa Lula-Tasso. Hoje, essa aliança é praticamente impossível, mas um apoio tucano a Lula no segundo turno foi defendido abertamente por FHC. O petista também disse que votaria no tucano contra o atual presidente.

A oposição a Bolsonaro reaproximou Lula e FHC. Além do encontro no início de maio, os dois assinaram na semana passada uma nota conjunta contra propostas do ministro Paulo Guedes para o Mercosul. Foi mais um sinal de que, num segundo turno, seria possível ver Lula e FHC no mesmo palanque eleitoral, algo inédito desde 1978. Na ditadura militar, o petista apoiou o tucano, que concorreu na época ao Senado pelo MDB.