PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leonardo Sakamoto


Militar mata (de novo) catador de recicláveis que salvou família no Rio

Parente de Evaldo chora diante de carro metralhado por militares - Foto: Fabio Teixeira/AP
Parente de Evaldo chora diante de carro metralhado por militares Imagem: Foto: Fabio Teixeira/AP
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.

Colunista do UOL

16/12/2019 18h08

Luciano Macedo, catador de materiais recicláveis, foi morto ao tentar salvar a família do músico Evaldo dos Santos, cujo carro foi alvejado por militares, em Guadalupe, Zona Norte do Rio, em abril. Estavam indo para um chá de bebê e foram confundidos com bandidos. Evaldo também morreu. Ganha um doce quem adivinhar a cor de pele de ambos.

E, nesta segunda (16), o tenente Ítalo Nunes, comandante da patrulha, o matou uma segunda vez ao culpá-lo por sua própria execução. Em depoimento à Justiça Militar, trouxe uma nova justificativa, mas sem provas: disse que o catador estava armado e atirou em sua direção.

A arma que Luciano teria usado? A perícia só encontrou a dos nove militares que respondem por duplo homicídio. Ao todo, aliás, foram 257 tiros disparados por eles, dos quais 83 atingiram o carro.

"Nas imagens feitas posteriormente de cima, é possível ver uma das ocupantes do carro olhando para o chão, procurando algo. As imagens não mostram arma no chão, mas esta postura é suspeita. Se ela estava olhando para baixo, certamente sabia que encontraria algo. Possivelmente um armamento", disse o tenente em seu depoimento. O registro é de Gabriel Sabóia, do UOL.

Mais uma para o Brasil da Cara de Pau, aquele país que decidiu executar o Sr. Pudor com dois tiros na nuca e depois obrigar os atendentes do SAMU a entregarem o seu corpo ao hospital mais próximo dizendo que ainda respirava quando o encontraram. A morte estúpida de negros pobres ocorre há séculos por aqui. A diferença, agora, é que caiu o tapa-sexo.

Inspirado pelos exemplos do presidente da República e do ministro da Justiça, que lutam para reduzir a punição de agentes públicos de segurança, o país retira o positivismo de "Ordem e Progresso" e inclui o cinismo do "Excludente de Ilicitude" na bandeira nacional.

A mulher, o filho pequeno e uma enteada não se feriram. O sogro de Evaldo foi atingido, mas sobreviveu.

Em resumo: nenhuma boa ação fica impune nesta terra do avesso, em que a mais alta autoridade chama um famoso educador de energúmeno e um famoso torturador de herói.

Luciano Macedo morreu, aos 27 anos, depois de lutar 11 dias por sua vida no Hospital Carlos Chagas. Estava com a esposa, grávida de cinco meses, catando madeira para construir um barraco e garantir um teto aos três. Viu o desespero da família e foi ao seu socorro para retirá-los do carro.

Corrijo-me. Não há avesso, nem inversão de valores, pois uma sociedade merece os salvadores que elege e a punição seletiva que prega.

As Forças Armadas nem deveriam estar atuando em contato direto com a população, mas em apoio a outros agentes de segurança e em serviços de inteligência. O Brasil segue adotando o terrorismo de Estado contra seu próprio povo. Dessa forma, vamos nos afastando das mudanças estruturais para garantir paz - que incluem um poder público que pense em qualidade de vida para todos e forças de segurança treinadas para não matar como reação básica.

Não há ordens diretas para metralhar negros e pobres da periferia dadas pelo comando do poder público. Mas nem precisaria. Primeiro, as forças de segurança em grandes metrópoles são treinadas para garantir a qualidade de vida e o patrimônio de quem vive na parte "cartão postal", atuando na "contenção" dos mais pobres. Segundo, com um governador e um presidente que apoiam a letalidade policial como política de combate à violência, a percepção da impunidade ajuda a apertar o gatilho primeiro e só perguntar depois.

Leonardo Sakamoto