PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Comunicação de Bolsonaro é eficiente em situações criadas para dar recados

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes durante visita a feira de pássaros, no domingo, em Brasília - Reprodução/ CNN
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes durante visita a feira de pássaros, no domingo, em Brasília Imagem: Reprodução/ CNN
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

25/10/2021 11h58

A comunicação do presidente Jair Bolsonaro sofreu uma derrota no domingo (24) com a remoção, pelo Facebook e Instagram, do vídeo com a live realizada na quinta-feira, quando associou vacina contra covid-19 e Aids. Mas nesse mesmo dia ele mostrou mais uma vez como é fácil conseguir espaço na mídia: levou Paulo Guedes para visitar uma feira de pássaros em Brasília. Ambos sem máscara, claro.

Se o "cercadinho" do Alvorada não produz mais o mesmo efeito desde que boa parte da imprensa deixou de acompanhar as aparições do presidente, as visitas fora da agenda nos finais de semana ainda funcionam bem.

O passeio do presidente serviu de palco para o ministro da Economia responder a críticas que está sofrendo por furar o teto de gastos do Orçamento de 2022 com a criação do Auxílio Brasil. Não muito confortável no meio da feira, Guedes atacou economistas que fizeram reparos à decisão, em especial Maílson da Nóbrega, que o criticou no "Jornal Nacional" de sexta-feira (22), Henrique Meirelles e Afonso Pastore.

O fato é que o passeio de Guedes com Bolsonaro foi notícia na televisão (CNN Brasil) e em todos os sites. O presidente segue muito eficiente na arte de fazer política com gestos, ainda que nada sutis. Deu mais um "sinal ao mercado" de que está tudo bem na relação com o ministro, mesmo que não esteja.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL