PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bonner critica fala "falsa e absurda" de Bolsonaro sobre vacinas e Aids

William Bonner: "Jair Bolsonaro fez uma relação completamente falsa e absurda entre a vacina contra a covid e a Aids" - Reprodução/Globoplay
William Bonner: "Jair Bolsonaro fez uma relação completamente falsa e absurda entre a vacina contra a covid e a Aids" Imagem: Reprodução/Globoplay
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

25/10/2021 21h53Atualizada em 26/10/2021 08h35

Num tom de irritação acima do normal, o apresentador William Bonner acusou o presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira de buscar "desacreditar vacinas e de desestimular a vacinação" no Brasil e classificou a fala em que ele associou vacinas contra covid a Aids como "falsa e absurda". O comentário foi feito no Jornal Nacional antes da exibição de uma reportagem sobre a live em que o presidente falou sobre o assunto.

Num texto repleto de adjetivos, bem mais próximo de um comentário do que da leitura de uma notícia, Bonner protestou:

"O Facebook tirou do ar ontem à noite o vídeo em que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, fez uma relação completamente falsa e absurda entre a vacina contra a covid e a Aids. E hoje no fim da tarde também o You Tube decidiu suspender por uma semana o canal do presidente. Desde que foi publicada, essa nova iniciativa de Bolsonaro de desacreditar vacinas, de desestimular a vacinação, deixou incrédulas as comunidades médica e científica. E provocou críticas veementes também no meio político".

Ao longo de mais de oito minutos, o JN expôs a repercussão do fato. Mostrou os inúmeros desmentidos à fala de Bolsonaro. Além de médicos e especialistas, o telejornal deu enorme espaço a integrantes da CPI da Covid, que vão incluir o caso no relatório final. O senador Alessandro Vieira (Cidadania) considerou que Bolsonaro cometeu um crime de flagrante de informação falsa. O senador Randolfe Rodrigues (Rede) falou em pedir o banimento de Bolsonaro das redes sócias.

No Jornal da Record, o caso não mereceu uma notícia. Foi apenas citado, por 40 segundos, ao final de uma reportagem sobre a CPI da Covid. O telejornal informou que "senadores também decidiram pedir ao ministro do STF Alexandre Moraes que investigue o presidente Jair Bolsonaro no inquérito das fake news pela transmissão de uma live na última quinta-feira em que o presidente citou supostos estudos em que pessoas totalmente vacinadas desenvolveriam a síndrome de imunodeficiência adquirida muito mais rápido do que o previsto". E concluiu: "A informação não tem respaldo científico".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL