PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Demissão de Eduardo Faustini da Globo é derrota do jornalismo investigativo

Eduardo Faustini ficou conhecido como o "repórter secreto" do "Fantástico", na Globo - Reprodução
Eduardo Faustini ficou conhecido como o "repórter secreto" do "Fantástico", na Globo Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

26/11/2021 01h05Atualizada em 26/11/2021 15h51

Duas figuras lendárias do jornalismo brasileiro foram desligadas da Globo esta semana. O clima é de choque e tristeza na emissora. Com razão. José Hamilton Ribeiro e Eduardo Faustini representam muito para quem aprecia e respeita o bom jornalismo.

A Globo fez um breve comentário sobre o fato, sublinhando que a não renovação dos contratos dos dois jornalistas ocorreu de forma cordial: "Ambos saíram de comum acordo depois de uma linda trajetória na TV".

Ribeiro, hoje com 86 anos, é um dos profissionais mais queridos e admirados do meio: 5 prêmios Esso, mais de uma dezena de livros, repórter da mitológica revista "Realidade", ferido durante uma reportagem na guerra do Vietnã, em 1968, também atuou em "Quatro Rodas", "Folha" e TV Globo, onde estava havia 40 anos ("Globo Repórter", "Fantástico" e "Globo Rural").

Faustini, idade e rosto desconhecido, construiu uma reputação como um dos maiores nomes do jornalismo investigativo no Brasil. Especializou-se no uso de microcâmera escondida para a realização de reportagens, uma técnica polêmica, questionada, mas muito eficaz para revelar variados tipos de crimes. "Antes de tudo, acho bom dizer que, a meu ver, todo bom jornalismo deve ser investigativo. O que faço é, digamos, jornalismo com câmera escondida", afirmou numa entrevista à revista Trip, em 2011.

Atuando na televisão desde o final da década de 1980, inicialmente no "Documento Especial", na Manchete, e posteriormente no "Fantástico", na Globo, onde estava desde 1995, Faustini estendeu os limites do chamado jornalismo investigativo. "Acredito que a relevância de um fato é sempre mais importante que a infração que estou cometendo. Já tomei diversos processos, mas nenhum me acusando de criminoso. O interesse público é o meu foco. Pra mim, ele é mais importante que qualquer lei ou regra de etiqueta", disse nesta mesma entrevista, a Millos Kaiser.

A lista dos feitos de Faustini é enorme: em uma célebre reportagem se passou por secretário interino na Prefeitura de São Gonçalo (RJ) para escancarar a corrupção no município. Suas matérias ajudaram nas prisões do chamado Comendador Arcanjo, chefão do crime organizado em Mato Grosso, e de Hildebrando Pascoal, o "deputado da Motoserra".

O resumo de seu perfil no Portal dos Jornalistas é de tirar o fôlego: já fingiu ser idoso para flagrar e denunciar os maus-tratos em asilos no Brasil; passou-se por caminhoneiro para mostrar os esquemas de propina em rodovias; flagrou a insegurança no sistema aéreo brasileiro, embarcando com uma réplica de um fuzil e um pacote de açúcar simulando cocaína; mostrou o esquema das funerárias que vendiam atestados de óbitos que serviam até para encobrir assassinatos; expôs a fraude em bombas de gasolina dos postos de combustíveis com o uso de controle remoto; e participou de uma operação dentro do caveirão da Polícia do Rio de Janeiro em uma comunidade dominada por traficantes.

Na série de reportagens "A cara da corrupção" revelou o que acontece em um gabinete onde são fechados contratos com dinheiro público. Durante dois meses, Faustini se fez passar por gestor de compras em um hospital público federal. Desde 2014, fazia reportagens para a popular série "Cadê o Dinheiro que Estava Aqui?"

Nesses anos todos, a Globo ofereceu a Faustini o que ele precisava para fazer bom jornalismo: tempo e recursos. Também assegurou segurança ao profissional (não mostrando seu rosto e evitando divulgar dados pessoais sobre ele). É uma pena a sua saída. Perdem a emissora e o público. É uma derrota do bom jornalismo investigativo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL