PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Record ignora falas de Mendonça sobre casamento gay e limites da Bíblia

Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

01/12/2021 21h48

A sabatina e aprovação pelo Senado do nome do ex-ministro André Mendonça para uma vaga no Supremo Tribunal Federal foi um dos assuntos de maior destaque nos telejornais das principais emissoras de TV aberta na noite desta quarta-feira. Apenas o início do julgamento dos acusados pelo incêndio na boate Kiss rivalizou com a decisão do Senado.

O presidente Jair Bolsonaro, ao indicar o seu candidato, havia falado em ter um ministro "terrivelmente evangélico" no STF. Por esse motivo, a religiosidade de Mendonça foi um dos temas principais da sabatina. Todos os telejornais ressaltaram que ele defendeu o "estado laico", e prometeu que a sua atividade como pastor não vai interferir nas decisões como ministro do STF.

Mas somente o "Jornal da Record" não reproduziu a frase enfática dita durante a sessão no Senado: "Na vida, a Bíblia; no Supremo, a Constituição". O telejornal da Record foi também o único a não mencionar que Mendonça afirmou que defenderá o direito constitucional do casamento das pessoas do mesmo sexo. O JR optou por dizer que ele prometeu "respeitar direitos e garantias individuais que integram a Constituição".

Somente o JN lembrou que a frase de Mendonça sobre não haver espaço para manifestação pública religiosa durante sessões do STF foi uma resposta a um pedido de Bolsonaro por orações dentro do tribunal.

O "Jornal Nacional" foi quem dedicou maior tempo ao assunto: 10 minutos. O "SBT Brasil" o que falou de forma mais apressada: apenas 2 minutos. Na Band, Mendonça foi tema de uma reportagem de 3 minutos e na Record apareceu por 4 minutos.

O "Jornal da Band" foi o único a registrar que o resultado da votação no plenário, 47 votos favoráveis e 32 contrários, representou um "placar apertado". Na realidade, e nenhum telejornal observou, foi o placar mais apertado entre todos os indicados ao cargo pelo menos desde a redemocratização do país, em 1985.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL