PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Editorial e omissão: como a TV reagiu ao ataque de Bolsonaro à vacinação

William Bonner e Renata Vasconcellos leem editorial no JN cobrando Bolsonaro "por todas as consequências daquilo que faz e diz" - Reprodução
William Bonner e Renata Vasconcellos leem editorial no JN cobrando Bolsonaro "por todas as consequências daquilo que faz e diz" Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

06/01/2022 21h54

Como tem ocorrido com frequência nestes últimos anos, as principais emissoras de TV aberta no país reagiram de forma muito diferente a um gesto agressivo do presidente Jair Bolsonaro.

A nova crítica de Bolsonaro à vacinação infantil ("você tem conhecimento de uma criança de 5 a 11 anos que tenha morrido de covid? Eu não tenho") e o ataque à Anvisa ("virou outro poder, é dona da verdade") mereceram um editorial da Globo, críticas da Band, notícia no SBT e silêncio na Record.

Além de um vasto noticiário a respeito, com críticas ao gesto do presidente, o "Jornal Nacional" reproduziu um longo e contundente editorial da Globo (veja abaixo), cobrando a responsabilidade do mandatário: "O presidente Jair Bolsonaro é responsável pelo que diz, pelo que faz. Espera-se que venha também a ser responsável por todas as consequências daquilo que faz e diz".

Eduardo Oinegue, âncora do "Jornal da Band", citou os questionamentos de Bolsonaro à vacinação e à Anvisa e disse: "Além da Anvisa, que tem demonstrado um comportamento irretocável desde o início da pandemia, outras agências estrangeiras, respeitadas pela seriedade do trabalho, também recomendam a vacinação de crianças, entre elas a europeia e a americana"

O "SBT Brasil registrou: "O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar a vacinação de crianças com idade de 5 a 11 anos contra a covid. A vacinação para esta faixa etária foi aprovada pela Anvisa em dezembro". E exibiu um curto trecho da fala presidencial.

Já o "Jornal da Record" apresentou um farto noticiário sobre a vacinação infantil, apenas com depoimentos e dados que reafirmam a necessidade desse procedimento. O telejornal não mencionou, porém, a fala de Bolsonaro. É a forma que a Record encontrou para se manifestar a favor da vida, mas sem criticar o presidente.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL