PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria


"Excludente de ilicitude não passa no Congresso", diz presidente da CCJ

Simone Tebet, presidente da CCJ: "Teriam que passar por cima de mim para aprovar excludente de ilicitude" - Simone Tebet, presidente da CCJ. Foto: Rodrigues / Agência Senado
Simone Tebet, presidente da CCJ: "Teriam que passar por cima de mim para aprovar excludente de ilicitude" Imagem: Simone Tebet, presidente da CCJ. Foto: Rodrigues / Agência Senado
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

26/11/2019 10h41

As declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a possibilidade de volta do AI-5 caso haja manifestações de rua contra o governo devem dificultar em muito a proposta do presidente Jair Bolsonaro de aprovação de um projeto de excludente de ilicitude pelo Congresso.

"Esse projeto não será aprovado. Teriam que passar por cima de mim e de vários colegas no Congresso", disse ao blog a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Simone Tebet (MDB-MS).

Todos os projetos que chegam ao Senado têm que ser aprovados na CCJ antes de ir a plenário.

Simone fez a afirmação sobre a proposta de excludente de ilicitude a propósito da declaração de Paulo Guedes. O ministro afirmou:

"Assim que ele [o ex-presidente Lula] chamou para a confusão, veio logo o outro lado e disse é, 'sai para a rua', vamos botar um excludente de ilicitude, vamos botar o AI-5, vamos fazer isso, vamos fazer aquilo. Que coisa boa, né? Que clima bom."

O presidente Bolsonaro já disse o excludente de ilicitude poderia ser usado para ações militares de Garantia da Lei e da Ordem, as GLO, visando reprimir manifestações violentas que poderiam ser enquadradas até na lei antiterrorismo.

A posição expressa abertamente pela presidente da CCJ é compartilhada até mesmo por líderes governistas ouvidos reservadamente pelo blog.

A opinião generalizada entre os líderes é de que o projeto de excludente de ilicitude sofreu um golpe quase mortal com as declarações do ministro da Economia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL