PUBLICIDADE
Topo

Onyx disse que não haveria mudanças de ministros, mas elas começaram

Gustavo Canuto foi demitido mesmo depois do presidente dizer a Onyx que não haveria mudanças - Divulgação
Gustavo Canuto foi demitido mesmo depois do presidente dizer a Onyx que não haveria mudanças Imagem: Divulgação
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

06/02/2020 19h24

Lembra? Em meio à crise em sua pasta por conta da demissão de dois de seus assessores diretos pelo presidente Jair Bolsonaro, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, antecipou o fim das suas férias.

Foi saber com o presidente, no último final de semana, se permaneceria no cargo. Na segunda-feira (3) anunciou que estavam descartadas mudanças na Esplanada dos Ministérios:

"Não, na nossa conversa de sábado (1º) eu abordei esse assunto e ele [Bolsonaro] foi muito firme em me dizer que não. 'Não quero mudar ninguém, estou satisfeito com o desempenho de todos [os ministros]'."

Pois é. Mas, na verdade, não estavam descartadas mudanças.

Nesta quinta-feira, Bolsonaro dispensou o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, e nomeou para seu lugar o ex-deputado Rogério Marinho.

Mais, em entrevista ao jornal "O Estado de S.Paulo" publicada nesta quinta-feira, o presidente voltou a admitir o afastamento do próprio Onyx Lorenzoni.

Questionado se o ministro tem usado a pasta para viabilizar sua candidatura a governador do Rio Grande do Sul em 2022, Bolsonaro respondeu:

"Parabéns pela pergunta. É um ponto a ser estudado, tá ok? Qualquer ministro que porventura queira aí usar o ministério, em vez de atender ao Brasil, atender ao seu Estado ou ao seu município está fadado a levar um cartão vermelho".

Além de Onyx há outros ministros colocados na berlinda e que, como o chefe da Casa Civil, têm se agarrado às palavras do presidente para acreditar que permanecerão em seus cargos: Abraham Weintraub (Educação), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Ricardo Salles (Meio Ambiente), Marcelo Álvaro Antonio (Turismo) e até mesmo o porta-voz do Planalto, general Otávio Santana do Rego Barros.

Todos já leram e releram juras públicas de amor do presidente repletas de elogios a seus desempenhos. Mas todos também já enfrentaram declarações tortuosas do chefe, semelhantes ao caso de Onyx.

Até mesmo aqueles que antes eram tachados de superministros, como Paulo Guedes (Economia) e Sérgio Moro (Justiça), já experimentaram a frigideira do Planalto e não têm certeza se ficarão no cargo até o final do mandato do chefe.

Na Esplanada dos Ministérios já corre solta a tese de que a maior diversão de Jair Bolsonaro é deixar seus auxiliares em estado de tensão permanente.

A demissão de Canuto só fez alimentar a expectativa de que, cedo ou tarde, outras cabeças devem rolar.